quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Uma noite tremida


Ontem durante a madrugada, por volta da 1:30, fez-se sentir em Lisboa um sismo de magnitude 6,0 na escala de Richter, o maior em 40 anos, com 16 réplicas de menor intensidade e sem estragos materiais que se conheçam. Contudo em 1969 ocorreu um outro de 6,1 na mesma escala até agora o maior desde 1755.

Na hora em que ocorreu o sismo, ou seja o abalo maior, estava em casa a ver televisão e senti a casa toda a abanar e uns pequenos sinos que tenho pendurados numa portada ficaram a tocar e de seguida o Shiva (o meu cão) começou a ladrar.

Em 1969, quando ocorreu o sismo fui acordado pelo meu pai que me foi buscar à cama e não me recordo do que aconteceu de seguida.

Um sismo e qualquer catástrofe natural é uma situação que está além do nosso controlo, dando-nos a sensação de impotência e que realmente para a Natureza não temos a importância que julgamos ter. Esperemos que ocorram somente estes pequenos sismos para libertar a energia da Terra e não aconteça alguma catástrofe.
António Pereira

2 comentários:

Cheila Saldanha disse...

Já é a segunda vez - ou terceira - que acontecem esses pequenos sismos e, devido a ser um mega pedregulho qd durmo, nunca os senti. AAAAAAH! É uma pequena frustração! Ehehe...
Contudo, isso assusta-me e imagino logo um tsunami. Tenho muito medo de ir para o céu, junto do George Clooney e Nexpresso, devido a uma catástrofe natural. (E pronto, aqui ficam as minhas confissões de adolescente)

sandra disse...

Viagem ao passado no blog :)

Olá Professor!

Terá o Homem, tal como o nosso Planeta, que ir libertando a sua energia aos poucos para que não aconteça nenhuma "catástrofe natural" no seu organismo?!! Uma questão de consciencialização...
Abraços com muita energia :D
Sandra