sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Pensamento



Para reflectir deixo aqui o seguinte pensamento:

"Sabemos dizer menos a quem mais queremos."
                                                                                                       Provérbio chinês

Infelizmente isto acontece muitas vezes com a maioria de nós e quando damos por isso...

Já passou o tempo de dizer o que queríamos dizer! Acabou a relação afectiva, de amizade, de trabalho, etc. ou... a pessoa morreu! E fica aquela sensação de que se, tivéssemos dito o que sentíamos por essa pessoa, tudo poderia ter sido diferente.



Ao não dizermos, no decorrer da vida acabamos por acrescentar mais um peso na consciência, uma neurose, um trauma, uma mágoa, enfim mais um "lixo" emocional que nos atrapalha no presente e no futuro.

Vamos procurar expressar, por actos, comportamentos, mas também por palavras o máximo do nosso sentimento a quem gostamos e a quem queremos muito, porque essa ou essas pessoas merecem isso de nós.
António Pereira

3 comentários:

paula milani disse...

Às vezes pensamos que quem queremos e amamos nos entende o suficiente e sabe o que vai cá dentro no nosso coração.
Talvez até entenda... Mas precise de uma confirmação. Talvez precise da nossa voz a relatar a importância que tem para nós.
Do contrário, perdemos todo o potencial que essa pessoa podia ser ao nosso lado. Perdemos tudo o que poderíamos viver futuramente. Perdemos a pessoa que nos poderíamos transformar. E perdemos uma parte de nós também, que ficou lá atrás, a desenvolver-se noutro plano........
Se ainda está em tempo, aproveite! O tempo não volta. É cruel, mas a vida continua...

Mafalda Vilhena disse...

É bem verdade o que acaba de dizer!
Às vezes também acabamos por dizer o que queríamos expressar, mas num momento errado e por isso ficamos sempre com uma sensação estranha.
É complicado, pois muitas vezes acho que não prevemos as consequências do não dizer e não agir.
Mas quando conseguimos isso, mesmo que seja em pequenas doses, creio que já é um bom passo para o aprimoramento, nas nossas relações humanas.
Neste seguimento e do meu ponto de vista, a auto-análise ajuda bastante, para construtivamente assimilarmos os erros e modificarmos as nossas futuras acções e palavras (mesmo que seja a um ritmo lento).

Cheila Saldanha disse...

Nem sempre digo tudo o que gostava de dizer. De vez enquado, talvez por causa da juventude, acredito que o que tenho para dizer pode ser dito mais tarde. Às vezes tenho medo que me apanhem desprevenida, essas coisas fazem feridas...!