quarta-feira, 1 de setembro de 2010

O mais importante: o Ser Humano


O mais importante numa Escola do Método DeRose, para não dizer nas empresas e na vida, são as pessoas. Sem as pessoas, alunos e instrutores, não faz sentido ter uma escola, para ensinar uma Filosofia de Vida que leva ao autoconhecimento.

Tudo o resto é acessório e consequência, da importância de cuidar das pessoas, conversar, trocar experiências de vida, ensinar, aprender, enfim viver.

Processos administrativos, computadores, base de dados, fórmulas financeiras, técnicas, práticas e mais não sei o quê, entre muitas outras coisas importantes para manter a estrutura de uma Escola, não têm a mesma importância do que demonstrar atenção e carinho por outro Ser Humano que seja visitante, aluno ou instrutor, porque na realidade o mais importante o que fundamenta o projecto são as pessoas.


O que adianta praticar muito bem, ler tudo e mais alguma coisa sobre os fundamentos filosóficos e nos tornemos embriagados de arrogância e excesso de sapiência, conhecer todos os conceitos e mais alguns, mas depois não saber ser coerente com eles, nem aplicar as técnicas na vida diária, nem saber nem querer conviver com os outros e não ser um Ser Humano Integrado. 

Isso deixa de valer alguma coisa e de adiantar seja o que quer que seja se não soubermos conviver saudavelmente e de ter presente que o mais importante são as pessoas e os laços que criamos com elas: amizade, ensino, aprendizagem, convívio, afectos, genes, vida!


O reforço disso é sabermos passar coerência com o nosso exemplo de vida, fruto do que incorporámos geneticamente pela prática regular e estudo rigoroso que passou a fazer parte da nossa forma de ser e de estar e naturalmente demonstrar o nosso sincero interesse pelas pessoas, pelos alunos e instrutores.

O genuíno interesse pelos outros Seres Humanos vem desse conhecimento, absorvido pela medida certa de prática, de estudo, da aprendizagem de que evoluímos e aprendemos a conhecermo-nos melhor através do outro, conforme nos diz um pensamento trântrico.

Se demonstrarmos sincera, espontânea e genuinamente o nosso interesse pelos outros, como a nossa Filosofia ensina, cresceremos além do imaginável, porque estamos a  tocar no fundo de cada um de nós!
António Pereira

6 comentários:

Andrea Miguel disse...

Querido professor,

deixo aqui o meu agradecimento profundo por estas palavras...
são valores com os quais sempre me identifiquei mesmo quando não conhecia o Método DeRose. Quando travei contacto com esta maravilhosa fiilosofia de vida fiquei absolutamente fascinada precisamente por ter por base estes conceitos.
Que todos nós sejamos cada vez mais exemplos vivos de tudo aquilo que o professor aqui escreveu:)

Um grande abraço,
Andrea

Anónimo disse...

e é isso que faz tda a diferença!

beijinhos

Ana Leonor Erra

Catarina Candeias disse...

Tão simples e tão verdadeiro!
Gostar de gente é... é gostar do futuro! :)

Graça disse...

concordo inteiramente. Há realmente que estar atento , pois num mundo em que cada vez tem mais tecnologia e à partida as pessoas deviam comunicar mais , isso acba incrivelmente por não acontecer, é um grande antagonismo. O ser humano precisa de ver o sorriso, sentir o toque e porque não o abraço. Sem isso fechamo-nos cada vez mais em nós mesmos e o mais importante que é a partilha e a convivencia deixa de existir
excelente o teu texto
parabéns

Eduardo disse...

Olá Professor,
Espero que as férias estejam a correr bem :D
Este blog está a tornar-se num compêndio de filosofia, com tantas palavras sábias e profundas de lucidez.
Pessoalmente, sinto no corpo a necessidade desse link. E desde há alguns anos que a vida me ensinou isso de uma forma bem profunda.
Na prática o que observo é que não é o link, mas sim a qualidade desse estar que faz realmente a diferença.
Não é a quantidade do tempo, mas o ímpeto espontâneo e puro de cuidar, ajudar, orientar e aprofundar relações que sacia essa necessidade intrínseca do ser humano.
No lado mais profissional é de suma importância mantermos a ponderação nem sempre obvia, nem sempre fácil, entre o equilíbrio interno, as responsabilidades e as evoluções do próprio projecto e a missão em si.
Obrigado pela confiança, carinho, sabedoria, orientação e exemplo, com que nos tem impulsionado e estimulado a ser cada vez melhores.
Um abraço forte do Eduardo

Letícia Ziebell disse...

Palavras que vieram mesmo a calhar :)
Beijinhos e boas férias!