quarta-feira, 28 de abril de 2010

No centro da tradição judaico-cristã e um pintor famoso


Estive no centro da tradição judaico-cristã, na Praça da S. Pedro, onde se diz estar o corpo de S. Pedro, no lugar onde foi torturado e crucificado e no qual também se veio a colocar um obelisco no centro da praça com o seu nome, ao redor da qual se construiu a Basílica. A sensação de grandiosidade, opulência e riqueza é esmagadora! 


Acabei por não entrar na Basílica, o que espero fazer noutro dia, porque tinha o compromisso de me encontrar com o amigo e colega Luis Lopes para irmos visitar o Museu do Vaticano.


Museu imenso em tamanho, espólio e riqueza incalculável, comportando objectos, pinturas, esculturas, moedas, artefactos, jóias em ouro, prata, diamantes, etc. de várias partes dos mundo e de épocas diversas.


Dentro da Capela Sistina, na qual é proibido tirar fotografias, contemplámos os tectos pintados pelo genial MichelAngelo, com cenas que ficaram famosas mundialmente, como a pintura que se encontra no centro do tecto e que designa a Criação do Homem.


Depois eu tive sair porque tinha o compromisso de ir ver a exposição sobre Caravaggio e o Luis permaneceu no Museu.

A exposição sobre a pintura de Caravaggio estará presente ao público até 13 de Junho e estava completamente cheia, devendo a minha visita à Manuela, aluna do Carlo que teve a gentileza de me oferecer o ingresso e de me acompanhar durante a visita e contar-me coisas sobre a cidade.


No final, antes de sairmos da antiga escuderia do Palácio do Presidente da República que foi construido sobre um Templo Romano, podemos contemplar uma vista deslumbrante sobre Roma. E, finalmente casa, com as pernas e pés cansados, mas a alma cheia e satisfeita pelo banho de história e cultura!

Amanhã falarei sobre mais sobre a exposição de Caravaggio, as suas pinturas e um pouco da sua história de vida e dos passeios que farei.
António Pereira

terça-feira, 27 de abril de 2010

Mais um dia em Roma


Mais um dia em Roma, hoje com alguma chuva e nuvens escuras, mas um dia de passeio cultural pelo Museu de Arte Contemporânea que contém pinturas e esculturas de diversos artistas e pintores italianos mais recentes e alguns quadros de Picasso, Miró, Dominguez, Pissaro, Monet entre outros, etc.


Acontece que o Museu é enorme e isso permitiu-me durante duas horas embrenhar-me numa longa visita e ficar abrigado da chuva que caía lá fora. Durante o calcorrear por dentro do Museu, ao visionar algumas obras de arte surgiu-me um pensamento que tive de registar:

Imagens sensíveis
Imagens densas
Imagens brutas
Imagens subtis e suaves.

Imagens de agora
Imagens de antes
Imagens de depois.

Simplesmente imagens
Artísticas ou nem por isso
Ou mais que isso.

Imagens representativas
De sensações, de sentimentos
De nada e de tudo.

Imagens perpetuadas
Para o agora
E para o que virá.

Ao sair entrei no parque da Villa Borghese por onde caminhei com alguma chuva, por alamedas de árvores e cores de folhas avermelhadas nas árvores e cheiro a terra molhada e perfume de flores e cantares de pássaros, a ouvir os meus passos e as gotas de água na folhagem e na minha roupa.


Por esse caminho cheguei a um miradouro, donde observei grande parte do centro histórico de Roma e particularmente a Piazza del Popolo que se encontrava logo abaixo.

Para voltar a caminhar até poder chegar à própria praça que antes tinha observado de cima, mas antes entrei numa igreja onde escutei um coro de crianças a cantar como se estivésse a ouvir ao vivo o Coro do filme Les Choristes. Voltei à rua e durante o trajecto por ruas largas e outras estreitas passei por lojas de marcas de grandes estilistas italianos e de outros não tão conhecidos em nome, mas tão ou mais conceituados na arte de criar beleza e elegância.


E finalmente preparei-me para voltar à Unidade Parioli para me encontrar com o amigo Luis Lopes e irmos jantar lá por perto antes de retornarmos para a casa onde cada um está alojado. Amanhã há mais!
António Pereira

segunda-feira, 26 de abril de 2010

Um retorno no tempo...


Hoje tive uma experiência de retornar no tempo, até à época dos Imperadores Romanos e viajar desde esse período até aos nossos dias.


Encontro-me em Roma, onde vim acompanhar o Comendador e escritor DeRose, na inauguração da Unidade Parioli do nosso colega Carlo Mea e simultaneamente fico mais alguns dias para fazer parte da banca examinadora dos futuros instrutores italianos do Método DeRose, no próximo fim-de-semana.

Assim, aproveitei a tarde de hoje para me aventurar um pouco mais pela cidade, para senti-la e vê-la no seu interior, simplesmente caminhando pelas suas ruas, ao mesmo tempo que parava para contemplar séculos de história personificada em pedras e vestígios de uma arquitectura remota, das raízes da cultura romana.


Observei um "homem estátua" fora do habitual que encontrou o seu diferencial numa criatividade fora do normal e me fascinou ao ponto de ficar a observá-lo cerca de 45m, sem ele mexer alguma parte do corpo, além das sobrancelhas quando lhe deixavam algumas moedas no potezinho.



Vi o Coliseu de fora, assim como o Fórum Romano, estive na Fontana di Trevi e noutras praças, atravessei ruas e caminhei por ruelas onde me senti, em Lisboa, Madrid e noutras cidades com toque mediterrânico e medieval que ainda não conheço, mas sinto vir a conhecer um dia.


Terminei sentado na escadaria da Scalinata di Spagna, onde costumam fazer desfiles de moda transmitidos para as televisões de todo o mundo, por onde já desceram modelos lindíssimas, junto à Piazza di Spagna e de frente para a Via del Corso, rua cheia de lojas dos estilistas mais famosos.


Agora que fiz o balanço de um dia cheio de sensações, emoções e caminhadas, preparo-me para amanhã entrar no Coliseu e no Fórum e mais num dos vários locais históricos que enchem esta cidade, à qual tenho a certeza que virei muitas mais vezes para degustá-la cada vez melhor e relembrar-me da minha Lisboa, como é tão linda e fantástica capital europeia.

Numa dessas próximas aventuras, espero poder trazer comigo um grupo de alunos e instrutores em viagem cultural de estudo, prazer e lazer.
António Pereira

quinta-feira, 22 de abril de 2010

Acabou uma jornada inicia-se outra


Depois de tantas peripécias e imprevistas por causa do vulcão na Islândia, finalizou-se o DeRose Lisboa 2010 e começámos a pensar no de 2011, ano em que comemorarei 30 anos de carreira profissional e 50 anos de vida.

Entretanto, inicia-se outra jornada no próximo fim-de-semana em Roma, para a inauguração oficial da Unidade Parioli do nosso colega Carlo Mea, com Cursos no fim-de-semana com o Mestre DeRose e depois uma semana de passeio e férias para participar na Banca de Exames no fim-de-semana seguinte.

Assim a partir de amanhã relatarei a minha estadia em Roma se possível ilustrada com fotos.
António Pereira

sexta-feira, 16 de abril de 2010

Cancelado lançamento do livro de DeRose


Devido aos problemas causados no Norte da Europa pelas cinzas vulcânicas, a maioria dos aeroportos da Europa encerrou o seu tráfego aéreo. Desta forma, o lançamento do livro do Comendador e Escritor DeRose, foi cancelado e transferido para sábado, dia 17 de Abril, às 21 horas, no Espaço Lifestyle, em Lisboa. Contamos com a sua presença!
António Pereira

quinta-feira, 15 de abril de 2010

É já amanhã!


Amanhã, sexta-feira, dia 16 de Abril de 2010, teremos entre nós, em Lisboa, o Comendador e Escritor DeRose, para lançar um livro no Palácio Galveias e dar vários Cursos para alunos e Instrutores, na Universidade Lusófona e no Espaço Lifestyle.

Será mais um momento histórico para recordar!
António Pereira

terça-feira, 13 de abril de 2010

Algo aparentemente inexplicável


O poder do som e particularmente do ultra-som é algo ainda pouco conhecido da maioria das pessoas, mas estudado há vários anos em diversas áreas, em particular os aspectos da ressonância magnética que pode levar pontes a cair e a produzir resultados interessantíssimos no Ser Humano, por exemplo através da vocalização de mantras (vocalização de sons e ultra-sons).

No sábado passado, um aluno meu deu-me a conhecer o filme que apresento abaixo:


Aparentemente parece "magia", algo estranho e sem explicação racional. Contudo, podemos observar um fenómeno não tão espantoso quando vamos fazer algum tratamento respiratório com aerosóis e vemos o vapor da água sair muito discretamente e se ligarmos um ultra-som deixamos de o ver, mas continuamos a senti-lo deixando-nos a pensar na solução para "fenómeno" tão estranho que é hoje facilmente explicado pela Física e pela Acústica. 

É tudo uma questão de Conhecimento e de ter abertura para encontrar a solução, como muitos Sábios, Filósofos e Cientistas fizeram ao longo da História da Humanidade e muitas vezes encontrando a resistência dos seus pares e da opinião pública, por apresentarem um outro paradigma diferente do vigente.
António Pereira

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Frases de Sabedoria


Existem pessoas com conhecimento e outras com sabedoria, mas poucas que unam conhecimento e sabedoria no seu património genético. 

Um desses Sábios contemporâneos brevemente estará em Lisboa, para que possamos beber dos seus Conhecimentos repletos de Sabedoria.

Para aguçar a reflexão e o autoconhecimento, deixo aqui algumas frases intensamente sábias, extraídas do seu livro SUTRAS, Máximas de lucidez e êxtase:

"Quanta gente há, humilde por orgulho!"

"Muito perde quem nada tem: a oportunidade de dar."

"Zangamo-nos facilmente quando se nos atribui a culpa alheia... e a nossa, muito mais!"

"Concessões e facilidades debilitam o Homem e enfraquecem a vontade."

"Ciúme não é uma demonstração de amor ao próximo e sim de amor-próprio, amor-a-si-próprio." 
DeRose

Brevemente em Lisboa teremos o Grande Mestre DeRose, para lançar um livro e dar alguns Cursos para alunos e Instrutores.
António Pereira

domingo, 11 de abril de 2010

É preciso ler mais!


Num país como Portugal em que existe uma grande ausência e regularidade de leitura, o filme que vi no blogue do Comendador e Escritor DeRose sobre a leitura é extremamente interessante e importante. Por isso o coloco aqui.


Resta-me desejar muitas e boas leituras!
António Pereira

Um sútra, na noite após...


A meio da noite depois do Olhares de Nyása e durante o sono, surgiu-me uma frase que me acordou e deu um sútra:

Frases do nada, vem cheias de tudo.

Pode ser só esta frase, ou dar continuação para mais alguma coisa. Ela surgiu fortemente como um mantra na minha cabeça e foi tão intensa que me acordou e levou a registar para não esquecer.
António Pereira

Mais um sucesso do Olhares de Nyása


Na sexta-feira passada tivémos mais um sucesso com a tertúlia Olhares de Nyása, em que fui desta vez o convidado especial, com a moderação da conversa a cargo da Profª. Catarina Candeias.

Algumas fotos do evento encontram-se no blogue do Espaço Lifetsyle: www.espacolifestyle.blogspot.com

Quero agradecer a todos os que estiveram presentes persistentemente, durante mais de duas horas de conversa sobre aspectos do meu trajecto profissional de 29 anos de ensino do Método DeRose e de 33 anos de praticante.

Foi uma agradável e aprazível experiência reviver na companhia dos presentes, relembrar todos estes anos e as várias peripécias e momentos bons e outros menos bons, mas que contribuiram para ser a pessoa que sou hoje. Obrigado a todos!
António Pereira

quinta-feira, 8 de abril de 2010

Amanhã: Olhares de Nyása


Amanhã, sexta-feira, dia 9 de Abril, às 21:30 no Espaço Lifestyle, teremos o terceiro Olhares de Nyása, do qual serei o convidado especial, com a moderação a cargo da Profª. Catarina Candeias (Directora da Unidade Marquês de Pombal, do Método DeRose e Vice-Presidente da Federação de Yôga do Sul e Ilhas de Portugal).

Uma oportunidade para conhecer episódios, peripécias, acontecimentos e momentos especiais que ocorreram ao longo de 33 anos de prática e 29 de exercício profissional com o SwáSthya e o Método DeRose.

Conto com a presença de todos os alunos e Instrutores das Unidades do Método DeRose, para continuar a fazer desta Tertúlia um êxito com têm sido as anteriores!
António Pereira

quarta-feira, 7 de abril de 2010

Algo a não esquecer!


Abri hoje o blogue do Comendador e escritor DeRose (www.uni-yoga.org/blogdoderose) e assisti a um vídeo que não pude deixar de publicar aqui, por ser algo que nunca poderemos esquecer e estar atentos, principalmente num país como o nosso que tem tanta sinistralidade nas estradas.


Nunca se esqueça de alertar os amigos e familiares que bebam a de que não o devem fazer se forem conduzir. Mostre-lhes este pequeno filme e converse sobre os riscos em que estão a colocar a vida deles e a dos outros que circulam.

Esteja sempre atento a tudo ao conduzir, com todos os sentidos e intuicional alerta, porque nunca se sabe donde pode vir o perigo.
António Pereira

segunda-feira, 5 de abril de 2010

Um Olhar de identificação


Na próxima 6ª feira, no Espaço Lifestyle, iremos ter mais um Olhares de Nyása, desta vez com a moderação a cargo da Profª. Catarina Candeias, visto que o convidado serei eu próprio.

Uma oportunidade para os participantes conhecerem um pouco melhor a pessoa e o profissional que me tornei ao longo de 30 anos de carreira com o Método DeRose.

Será um momento para rever como tudo começou e o trajecto efectuado até ao momento actual, relembrando acontecimentos, pessoas e peripécias.

Gostava de poder contar com a presença simpática e amiga de todos os alunos e instrutores das Unidades do Método DeRose.
António Pereira

quinta-feira, 1 de abril de 2010

Patch Adams



No blogue do Comendador e escritor DeRose, li um post com um extracto de uma entrevista do Patch Adams em que ele foge ao estereótipo de “doutor do riso” que lhe é transmitido pelo filme com o seu nome.
Em 2007 num programa de entrevistas na televisão brasileira (Roda Viva), Patch Adams afirmou que não concorda e nunca disse que "rir é o melhor remédio", e sim que "a amizade claramente é o melhor remédio". Ele afirmou que o filme Patch Adams de Tom Shadyac, não condiz com a verdade e que "o filme é bom e bonitinho".

Ele tem como filosofia de vida o amor, não só no âmbito hospitalar, mas sobretudo nas relações sociais, independente de lugar e que o objetivo do médico não é curar e sim cuidar. 
No filme começa a faculdade de Medicina, em 1969, com 40 anos, quando na realidade tinha 24 anos nesse ano e um dos seus melhores amigos foi assassinado em vez da sua namorada como aparece no filme. De qualquer forma é uma película com bons exemplos para reflectir sobre como olhamos para avida.
De qualquer forma, nada como ler o que o próprio diz no extracto da sua entrevista:
"Não concordo com “rir é o melhor remédio”. Eu nunca disse isso. A amizade claramente é o melhor remédio. É a coisa mais importante na vida. São nossas relações com aqueles que amamos. Infelizmente, os meios de comunicação, sendo como são, muito antes de me conhecer, imaginam que rir seja o melhor remédio. Então, quando escrevem o artigo, põem essa frase porque o fazem, na realidade, sem pensar. Também quero corrigir a idéia de que rir seja uma terapia. Também nunca penso em música como terapia, nem em arte, nem em dança. Nunca precisam da palavra “terapia”, que é pequena para ajudar. A arte não precisa de ajuda da palavra “terapia”. É a cultura humana. Não fazemos terapia de cultura. Se estamos saudáveis, fazemos cultura."
Alessandro Martins, Curitiba, PR
_______________________________
Que perfeito, Alessandro! A mim me parecia que eu estava me ouvindo falar! DR
____________________________________________
António Pereira