segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Uns dias de descanso


A partir da tarde de amanhã, depois de algumas reuniões irei tirar uns dias de férias para recarregar as baterias e renovar as energias e ideias.

Contudo, irei escrevendo alguns posts aqui no blogue, talvez com algumas fotos se as que tirar forem interessantes, mas pode ser que não coloque com a frequência habitual e tão assídua.

Estarei no sul de Portugal, no Algarve, a usufruir da hospitalidade dos colegas e amigos, Nuno Jacob e Flora Marçal e a conviver nas praias, pinhais, etc. com os amigos e colegas Luis Lopes e Daniela Sousa. Quem sabe se conseguirei rever alguns amigos e alunos que se encontram também no Algarve, como  a Susana Sousa e o Tomé.

Até breve!
António Pereira

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Às vezes é melhor deixar as coisas como eram


Às vezes seria melhor deixar as coisas como elas eram, nos casos em que alguém passa para um determinado patamar e muitas vezes acaba por desvirtuar a essência daquilo que motivou a galgar esse degrau.

Refiro-me a alunos que quando o eram, demonstravam todo o carinho e proximidade gerando muitas vezes laços de amizade, sendo pró-activos e sempre dispostos a ajudar, a participar e sempre envolvidos nas actividades, práticas e com um senso de missão e de humildade.


Acontece que em 30 anos de profissão com o Método DeRose, reparo num fenómeno que me deixa triste e desgastado e que ocorre com alguns alunos que depois de passarem a ser Instrutores perdem essa característica tão bonita e genuína da retribuição espontânea (pújá e guru-sêva), e tudo passa a ser uma dificuldade, tornam-se reactivos, arrogantes e começam subtilmente a afastar-se de quem os ensinou, o seu Monitor, da Escola onde aprenderam e muitas vezes do seu Mestre.


Nestes casos,  penso ser ideal essas pessoas ficarem somente como alunas, por que nessa categoria, são e continuam amigas, próximas, queridas e pró-activas, enquanto ao tornarem-se instrutoras, passam a ser o oposto e o único ânimo nesta situação é que ela também se verifica noutras profissões, o que torna por outro lado a coisa mais gravosa, visto estarmos a trabalhar num processo de auto-aperfeiçoamento do Ser Humano, visando um maior autoconhecimento e por essas mesmas razões maior a responsabilidade em corrigirmos este fenómeno.

Uma medida é o Instrutor Monitor do candidato não facilitar, não mimar, mas como na tradição ancestral da Filosofia Hindú, ser rigoroso e até colocar algumas dificuldades que afastarão quem não tenha a têmpera e ao mesmo tempo fortalecerão e aperfeiçoarão os que superarem essas provas.


Esta é uma medida não uma solução máxima, por que muitas vezes passado isso tudo, só com uma convivência mais próxima nos apercebemos de alguns vícios comportamentais que terão de ser reeducados por  nós educadores.

Infelizmente, penso que este fenómeno tem também a ver com o facto de usarmos a palavra mágica para denominar aquilo que ensinamos e nesse sentido ser Método DeRose ajudará bastante a corrigir este tipo de situações.


Esta é uma situação sentida por muitos colegas, mas pouco comunicada entre nós, por esse facto havia algum tempo que pretendia abordar aqui este assunto da área Pedagógica e desta forma estimular a implementação de medidas correctivas nas nossas Escolas do Método DeRose com a esperança de se obterem bons resultados.
António Pereira

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Nada é impossível!


Nada é impossível, é o lema de grandes homens e mulheres que ao longo dos tempos têm dinamizado as sociedades com as suas invenções, artes, criações, empresas, etc.

Esse é também o lema que orienta todas as acções e pensamentos de uma grande marca e empresa alemã ligada ao desporto, cujo texto retirei do livro "Oportunidades Disfarçadas" (Janelas de Oportunidade, em Portugal):

"Impossível é apenas uma grande palavra
Usada por gente fraca que prefere viver no mundo como está
Em vez de usar o poder que tem para mudá-lo
Impossível não é um facto
É uma opinião
Impossível não é uma declaração
É um desafio
Impossível é hipotético
Impossível é temporário
Impossible is nothing
Adidas"

Isto leva-nos a pensar no sentido de mudar os nossos paradigmas para vermos como podemos realizar os nossos projectos, por mais que eles sejam aparentemente estranhos.

António Pereira

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Uma nova perspectiva das relações


Vivemos em plena revolução social, em termos humanos e tecnológicos, com consequências na forma como trabalhamos e nos relacionamos social e afectivamente. Comportamentos e perspectivas de relacionamento que há poucos anos não imaginaríamos poderem vir a acontecer, estão hoje aí ou com grandes possibilidades de se concretizarem, pela evolução e abertura mental que a sociedade sofreu com a introdução das novas tecnologias e a consequência da sua utilização, gerou-se um maior acesso à informação e à globalização desta.

Neste sentido, a forma como se encara a relação afectiva de amor, está em fase de transformação, de uma situação romântica e às vezes meio dependente, para uma mais positiva de parceria e companherismo. 

Em relação a este tipo de relação afectiva, li um texto fabuloso do psiquiatra e escritor brasileiro, Dr. Flávio Gikovate, no blogue da nossa aluna Susana Sousa: http://derosepalace.blogspot.com



Por Dr. Flávio Gikovate*

"Não é apenas o avanço tecnológico que marcou o início deste milênio. As relações afetivas também estão a passar por profundas transformações e a revolucionar o conceito de amor.

O que se busca hoje é uma relação compatível com os tempos modernos, na qual exista individualidade, respeito, alegria e prazer de estar junto, e não uma relação de dependência, em que um responsabiliza o outro pelo seu bem-estar.


A ideia de uma pessoa ser o remédio para nossa felicidade, que nasceu com o romantismo, está fadada a desaparecer neste início de século. O amor romântico parte da premissa de que somos uma fração e precisamos encontrar a nossa outra metade para nos sentirmos completos.

Muitas vezes ocorre até um processo de despersonalização que, historicamente, tem atingido mais a mulher: ela abandona suas características para se amalgamar ao projeto masculino.

A teoria da ligação entre opostos também vem dessa raiz: o outro tem de saber fazer o que eu não sei. Se sou manso, ele deve ser agressivo, e assim por diante. Uma ideia prática de sobrevivência, e pouco romântica, por sinal.


A palavra de ordem deste século é parceria.

Estamos a trocar o amor de necessidade pelo amor de desejo. Eu gosto e desejo a companhia, mas não preciso, o que é muito diferente.

Com o avanço tecnológico, que exige mais tempo individual, as pessoas estão a perder o pavor de ficar sózinhas, aprendendo a conviver melhor consigo mesmas. Começam a perceber que se sentem fração, mas são inteiras.

O outro, com o qual se estabelece um elo, também se sente uma fração. Não é príncipe ou salvador de coisa nenhuma. É apenas um companheiro de viagem.


O homem é um animal que vai mudando o mundo, e depois tem de reciclar-se, para se adaptar ao mundo que fabricou. Estamos a entrar na era da individualidade, o que não tem nada a ver com egoísmo.

O egoísta não tem energia própria; ele alimenta-se da energia que vem do outro, seja ela financeira ou moral.

A nova forma de amor, ou mais amor, tem uma nova feição e significado. Visa à aproximação de dois inteiros, e não à união de duas metades. E só é possível para aqueles que conseguirem trabalhar a sua individualidade. Quanto mais o indivíduo for competente para viver sózinho, mais preparado estará para uma boa relação afetiva. A solidão é boa, ficar sózinho não é vergonhoso. Pelo contrário, dá dignidade à pessoa.


As boas relações afetivas são óptimas, são muito parecidas com o ficar sózinho. Ninguém exige nada de ninguém e ambos crescem. Relações de dominação e de concessões exageradas são coisas do século passado. Cada cérebro é único. O nosso modo de pensar e agir não serve de referência para avaliar ninguém.

Muitas vezes, pensamos que o outro é nossa alma gêmea e, na verdade, o que fizemos foi inventá-lo ao nosso gosto.

Todas as pessoas deveriam ficar sózinhas de vez em quando, para estabelecer um diálogo interno e descobrir a sua força pessoal. Na solidão, o indivíduo entende que a harmonia e a paz de espírito só podem ser encontradas dentro dele mesmo, e não a partir do outro. Ao perceber isso, torna-se menos crítico e mais compreensivo quanto às diferenças, respeitando a maneira de ser de cada um.


O amor de duas pessoas inteiras é mais saudável. Nesse tipo de ligação há o aconchego, o prazer da companhia e o respeito pelo ser amado.

Nem sempre é suficiente ser perdoado por alguém. Algumas vezes tem de aprender a perdoar-se a si mesmo...




SAWABONA, é um cumprimento usado no sul da África que quer dizer:

"EU RESPEITO-TE, EU VALORIZO-TE, ÉS IMPORTANTE PARA MIM".

Em resposta as pessoas dizem:

SHIKOBA que é

"ENTÃO EU EXISTO PARA TI"

* médico psiquiatra, psicoterapeuta e escritor brasileiro."

Para mim isto fez muito sentido e daí ter achado importante partilhar a sua leitura, gerar reflexões e conclusões sobre o seu conteúdo.
António Pereira

sábado, 21 de agosto de 2010

Na perseguição de oportunidades


É importante estarmos atentos e receptivos ao fluxo da vida, seja de coisas boas ou menos boas, para em tudo podermos retirar um ensinamento e uma oportunidade de crescimento pessoal e/ou profissional. 

Daí a importância de conhecermos histórias ou pessoas que passaram por situações semelhantes às nossas, para podermos  ficar mais fortes e enriquecidos culturalmente. 

Deixo aqui mais uns pensamentos retirados do livro Oportunidades Disfarçadas (Janelas de Oportunidades na edição portuguesa), de Carlos Domingos, que recomendo como leitura: 

"O futuro já está aqui. Apenas não está distribuído de maneira uniforme." do romancista William Gibson

"O acaso só favorece a mente preparada." Louis Pasteur

"Eu acredito na sorte. E quanto mais eu trabalho, mais sorte eu tenho." Thomas Jefferson

"É muito melhor arriscar coisas grandiosas, alcançar triunfos e glórias, mesmo se expondo à derrota, do que formar fila com os pobres de espírito que nem gozam muito nem sofrem muito, porque vivem nessa penumbra cinzenta que não conhece vitória nem derrota." presidente Roosevelt

"O que não me mata me deixa mais forte." Nietzsche

"Não se pode ter empresas bem-sucedidas em sociedades fracassadas." magnata suiço Stephan Schmidheiny

"Crianças órfãs são forçadas a ser muito mais instropectivas e a examinar os mistérios da vida traduzidos pela morte, num período da vida em que seus colegas lidam apenas com as tensões mais brandas, típicas da idade." escritora  e pesquisadora Jill Brooke
António Pereira

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Frases e pensamentos interessantes


Muitas vezes nas nossas leituras somos confrontados com frases, ideias e pensamentos que ecoam dentro de nós desde sempre, mas que nunca tinhamos registado. Elas acabam por ter uma força imensa pela identidade sentida com outra pessoa que pensa e sente da mesma forma que nós.

Por esse motivo deixo aqui algumas delas retiradas do livro Oportunidades Disfarçadas, de Carlos Domingos, que me encontro a terminar de ler:

"Punir um erro é estimular a mediocridade.", Michael Eisner, CEO da Walt Disney por mais de 20 anos

"Quem faz pode cometer falhas. Mas a maior de todas as falhas é não fazer nada.", Benjamin Franklin

"Não existe maior sinal de insanidade do que fazer as coisas do mesmo jeito e esperar que os resultados sejam diferentes.", Einstein

"Teimar obstinadamente é o defeito de almas vulgares, ao passo que voltar atrás, se corrigir, abandonar uma opinião errada são qualidades raras das almas fortes.", do filósofo Montaigne

"Só quem caiu grandemente pode se levantar espetacularmente.", senador Robert Kennedy

São somente alguns exemplos para absorver e pensar. Boas reflexões!
António Pereira

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Novas Unidades em Lisboa


Hoje visitei a nova Unidade Credenciada do Método DeRose, em Lisboa, a Unidade Laranjeiras que vai ser dirigida pelo Inst. Carlos Cunha com o apoio da Instª. Etianette Melo, também sua companheira.

Durante quase dois anos o Carlos fez parte da equipa do Espaço Lifestyle, onde fez um excelente trabalho com a vasta experiência que já tem nesta profissão, sendo agora a altura de dar este passo no crescimento profissional. A Eti, como gosta de ser chamada, foi membro da nossa equipa durante alguns meses, até ambos abraçarem este novo projecto a quem desejo os maiores sucessos e realizações.

Entretanto, em Telheiras, abriu outra Unidade, ainda não Credenciada, cuja direcção está a cargo do nosso colega Prof. Bruno Amaral, o qual conta com o apoio da Instª. Patrícia Moreira, sua parceira. Desejo a ambos o sucesso e crescimento necessário para se tornarem uma Unidade Credenciada rapidamente.
António Pereira

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Viver a vida da melhor forma


Um destes dias fui ver o filme português "Contraluz" de Fernando Fragata (argumento e realização), rodado nos EUA e que conta com a participação no elenco de vários actores portugueses e estrangeiros. 

Sobre este filme já tinha visto o trailer com uma mensagem impressionante do actor António Feio, recentemente falecido cujo um depoimento sobre o filme, a vida e como vivê-la, é emocionante. 

Este filme toca-nos profundamente e a mensagem de António Feio ainda mais, principalmente depois de ele ter partido desta vida. Algo para reflectir no sentido de modificar a nossa atitude perante a vida!




Recomendo vivamente que vejam o filme, reflictam sobre os acontecimentos apresentados relacionados com a  vida de todos nós e as ligações aparentemente casuais com que o karma nos brinda.

Aprendamos alguma coisa com tudo o que a vida nos apresenta e não deixemos nada por fazer ou dizer. Bom filme!
António Pereira

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Obsessão escrita!


Uma obsessão escrita apoderou-se de mim, nestes dias em que só vejo o oásis do fim desta empreitada na finalização desta fase deste projecto. Algo vai nascer deste frenesim criativo!
António Pereira

terça-feira, 10 de agosto de 2010

Calor insuportável...

Continua o calor insuportável, a impressão de vivermos num forno de dia (pior) e de noite. O corpo continuamento suado e melado, deixa-nos uma sensação horrível e só nos apetece estar dentro de água. Esperemos que venham dias mais frescos, o mais brevemente possível!
António Pereira

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Fim de semana de trabalho

Ontem terminou uma Maratona de Avaliações e Revalidações de Instrutores do Método DeRose, na sede da nossa Federação, em Lisboa.

Iniciámos na 6ª feira, às 20 horas com as Provas Teóricas, para sábado e domingo termos o seguimento com as provas práticas e de aula.

Tudo num ambiente descontraído e saudável. Estamos de parabéns pela qualidade humana, técnica e profissional dos Instrutores e dos candidatos. Todos sempre com um grande foco no aprimoramento humano, técnico e profissional, imperando a boa disposição, a alegria sincera e contagiante, o que me deixa particularmente satisfeito. 

Tívémos bastantes candidatos a Instrutor do Método DeRose a assistir para aprender e grande apoio dos guru-sêvins: Patrício Vinagreiro, Cheila Saldanha, Andreia Fragoeiro que contribuiram para que tudo corresse da melhor forma. No sábado, ao final da tarde tivémos a visita especial da Profª. Catarina Candeias e do pequeno Lucas.

Para finalizar, um agradecimento especial a todos os Professores e Instrutores que se disponibilizaram a fazer parte da Banca Examinadora, com a sua dedicação e profissionalismo.

E, um até às próximas Avaliações Nacionais que serão em Outubro!
António Pereira

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Leitura recomendada para a "crise"


Em Maio, durante a viagem a Florianópolis e S. Paulo, foi-me recomendado pelo meu amigo e colega Luis Lopes, um livro extremamente interessante que ele estava a ler e que eu acabei por comprar no Brasil.

Esse livro na versão portuguesa tem como título Janelas de Oportunidades e no original brasileiro, Oportunidades Disfarçadas, sendo seu autor o empresário e publicitário, Carlos Domingos. 

Esta obra surgiu após sete anos de pesquisa, sobre histórias de empresas e empresários que em momentos de grande crise encontraram soluções de sucesso. 

Além de enriquecer a nossa cultura geral em casos verídicos do mundo empresarial, algumas mais antigas outras mais recentes, retiramos imensas ideias interessantes para aplicar naquilo que fazemos, daí ter recomendado a todos os membros da equipa do Espaço Lifestyle e consequentemente a todos os instrutores do Método DeRose, particularmente os de Portugal.

Eu estou a gostar imenso e com isso estímulo a minha criatividade, mudo paradigmas, abro horizontes e retiro muitas ideias boas para aplicar no dia-a-dia. 

Boa leitura e boa aprendizagem para ser aplicada na vida concreta!
António Pereira

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Dia de Aniversário da Cheila Saldanha


Hoje é o dia de Aniversário da minha aluna, grande amiga e super talentosa Cheila Saldanha, por sinal a designer do Espaço Lifestyle.  

Desejo-lhe um dia super feliz, em que a sua característica vontade de viver transborde com toda a sua alegria peculiar, temperada pelo seu humor sui generis, deste Ser Humano, tão bonito por dentro e por fora, tão sensível, que tem imensos talentos artísticos, mas mascarado por uma capa de dureza que a faz ser a nossa Tomb Raider.

Parabéns, menina Cheila e votos de um dia muito feliz!
António Pereira

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Vida e Morte

                                                                             Lucas

Nascemos, vivemos e morremos, sempre com a única certeza que ao nascer iremos morrer um dia, mesmo que esse facto seja um tabú para muita gente, mas essa é uma realidade indissociável da vida e da Natureza.

Nestes últimos dias, com o nascimento do nosso sobrinho Lucas e a morte do actor António Feio e hoje do jornalista Mário Bettencourt Resendes, este tipo de reflexões caiem-nos na mente e fazem-nos pensar sobre a nossa vida, para onde vamos, para onde queremos ir, quem somos, e por aí adiante.

Isso leva-nos a reflectir numa frase que retirei de um livro:

"O nosso nascimento não é outra coisa senão um dormir e esquecer." Wordsworth, in Intimations of Immortality


Ao longo dos tempos Filósofos e Pensadores, dissertaram sobre a vida e a morte e o impacto desta na vida, como nos diz o grande filósofo da antiga Grécia, Sócrates:

"Ter medo da morte é apenas um outro modo de pensar que se é sábio quando não se é... Ninguém sabe, com relação à morte, se ela é realmente a maior benção que pode acontecer a um homem, mas as pessoas têm pavor dela, como se estivessem certas de que ela é o grande mal, e essa ignorância, que pensa que sabe o que não sabe, deve ser certamente a ignorância mais repreensível... e se eu fosse alegar que sou mais sábio do que o meu vizinho, a respeito de qualquer coisa, eu diria o seguinte... que não possuindo nenhum conhecimento verdadeiro do que vem após a morte, eu também estou consciente de que não possuo conhecimento algum a esse respeito." Platão, Apologia, in Sócrates

Aproveitemos bem todos os momentos da vida para que na hora da morte, olhemos para trás e o nosso balanço seja positivo.
António Pereira