quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Saber de onde vimos e para onde vamos


Pouca vezes fazemos a reflexão, em termos gerais de país e pessoais de antecendentes familiares, sobre a nossa origem para sabermos para onde temos de ir. 

A importância dessa análise é a de se obter um melhor conhecimento do passado cultural do nosso povo, porque um povo que tem mais consciência da sua cultura, tem mais noção de quem é e estará melhor para poder recuperar e aumentar a sua confiança.

Um certo estar psicológico e emocional do nosso povo tem a ver com um passado de Ouro que se perdeu e anos de isolamento e restrição da liberdade individual. Ter noção desse passado é uma forma também de se poder resolver alguma coisa com o presente e assim abanar a acomodação e apatia que se instala em muita gente e instituições.

Devemos olhar para esses homens e mulheres que desbravaram mundos (ainda andam por aí) e construiram uma Nação que foi Descobrindo o Mundo, através de barcos "casca de noz", levando uma Visão Humanitária e curiosa sobre tudo e que acabaram por se mesclar com outras Culturas e aprenderam com elas coisas desconhecidas nossas e fizeram pontes culturais com a Índia, Brasil, Europa, etc. 


É um exemplo que deve ser resgatado das nossas memórias ancestrais e colocado em prática com um orgulho sadio, peneirando aquilo que foi menos bom nesse passado, para somente aproveitarmos o melhor de nós e levantar o Esplendor de Portugal.

Isso requer uma mudança de atitude. Mudar paradigmas e mudar conceitos. Abrir a mente e o coração para outras perspectivas, para sermos cada vez mais vitoriosos.

Praticar as Técnicas e aplicar os Conceitos do Método DeRose, na vida é um excelente exemplo de como podemos mudar para melhor se assim o quisermos, trazendo connosco o melhor do passado, para aperfeiçoar o presente e projectar no futuro aquilo que merecemos pelo mérito do nosso esforço e capacidade de realização. Basta querermos e termos a humildade de aprender com tudo aquilo que a vida nos presenteia.
António Pereira

5 comentários:

sandra disse...

Olá Professor, bom dia!

Gostaria, se me permitir, de fazer um apelo aos seguidores deste blog para que compartilhem mais as suas ideias, pensamentos, leituras, vivências, experiências...

Saudações Portimonenses para todos,
Sandra.

Fátima Damas disse...

Num documentário da TVCabo, dizia-se que os Portugueses foram os Fundadores da 'aldeia global, do conceito globalização'. Tenho muito orgulho e respeito pelo nosso passado. Mas confesso que o meu sonho é como o do John Lennon no 'Imagine'. Independentemente de onde vimos, podemos sempre escolher para onde vamos e como influenciamos os que estão à nossa volta!! Seja em África, Índia, Europa...... As pessoas, pelas pessoas, sem raça, religião, nacionalidade, fantasmas do passado..... Utopia, se calhar. Beijinhos e obrigada Professor, pelos desafios que lança! Fátima Damas

Prof. António Pereira disse...

Sandra,
Obrigado pelo apelo à participação com comentários, sobre os posts deste blogue e dessa forma, ao estímulo à troca de ideias.
É importante para mim e para todos os leitores do blogue, saber aquilo que cada pensa e sente sobre as ideias, pensamentos e propostas que lanço aqui.
Beijinhos,
António Pereira

Prof. António Pereira disse...

Olá Fátima,
Como na canção "Imagine", do grande John Lennon, devemos aspirar por uma visão sem preconceitos de nacionalidade, etnia, etc., e promover o surgimento de mais Livres Pensadores, influenciando aqueles que estão à nossa volta, pelo mundo afora, como bem dizes.
Beijinhos,
António Pereira

sandra disse...

Olá (mais uma vez)Professor!

Fico muito feliz por ter apreciado o meu apelo :)). É muito importante o debate sincero de ideias, e por isso eu agradeço todos os seus posts!
"As pessoas, pelas pessoas..." uma utopia certamente partilhada por muitos de nós!
Cumprimentos calorosos,
Sandra.