quinta-feira, 24 de março de 2011

Portugal...


Portugal, está a viver um momento histórico dos mais complicados das últimas décadas e para sair desta embrulhada, tem de saber ir buscar ao seu âmago a capacidade ancestral de ter a lucidez, a coragem e a determinação para dar a volta à situação. É preciso ver as coisas numa óptica positiva, para encontrar ou criar oportunidades (há oportunidades sempre, desde que se mude o paradigma) para elevar o Esplendor do país e deixar os altos desígnios marcarem a nossa caminhada.

São das situações complicadas que surgem as melhores soluções! É preciso querer mudar e ter a capacidade de o fazer com abertura e lucidez para encontrar consensos nacionais e não pessoais. Ter uma visão de Estado, de país, de conjunto, de futuro, a curto, médio e longo prazo e não, como se tem feito nas últimas décadas, uma visão curta e egoísta.

Necessitamos de mudar a atitude generalizada de descrédito em nós, no país e meter mãos à obra, inspirando-nos nos bons exemplos de realizações culturais, desportivas, empresariais e outras, que existem mas não são divulgadas. Necessitamos de mudar a visão pequena e invejosa, por uma visão ganhadora, realizadora, construtiva, tolerante e respeitadora do outro, mesmo ele que tenha um ponto de vista diferente do nosso, poderemos aprender alguma coisa com isso.

É preciso ter brio naquilo que fazemos. É preciso querer ir mais além para realizar os nossos sonhos. É preciso acreditar que é possível construir um país melhor e mais justo para todos. É preciso educar e formar carácteres ganhadores e vencedores, dando ênfase ao detalhe e ao perfeccionismo naquilo que nos empenhamos em realizar. É preciso mudar comportamentos e dar exemplos concretos, para que se gere a motivação e o entusiasmo em querer mudar, para gerar riqueza e realização pessoal e profissional.
É preciso difundir cultura para elevar as mentes para sabermos compreender-nos para gerar um orgulho saudável e maravilhar-nos com a vida. É preciso envolver as pessoas, para que elas se comprometam com o projecto Portugal, para que ele seja cada vez mais uma realidade.

Se tivermos essa vontade, cconseguiremos ir longe e alterar as coisas de forma justa e adequada para todos e não só para alguns. Viva Portugal!
António Pereira

1 comentários:

Anónimo disse...

Esta é realmente uma questão crucial, mas penso que teimamos em não ver. Ás vezes nem sei se o exemplo é o suficiente, pois muitas vezes ele é dado e não é seguido... Com o tempo fui descobrindo que as pessoas têm uma tendencia para imitar o que não é útil e descartarem os exemplos, os bons exemplos. Talvez esta questão leve mais do que uma geração para ser resolvida. Eu ainda apanhei o tempo em que se trabalhava quase de borla para se aprender um oficio e que se levava anos para passar de grau ou categoria. Hoje as pessoas querem ter antes de ser, perdem a humildade de aprender e a capacidade de reflectir, vivem imersas numa realidade quase virtual e na objectiva recusam-se a aceitar, acabam por ser máquinas do trabalho, robots programados para repetir as mesmas coisas no trabalho e infelizmente na vida!
Contesta-se, reclama-se, discorda-se, mas, não passa disso... é preciso agir, é preciso ser forte, é preciso ter coragem, seguir um ideal e torna-lo real não é fácil, mas é possível. Temos entre nós um excelente exemplo, aliás vários exemplos, mas temos um bem próximo, um que conversar connosco e nos ensina todos os dias como ser, mas principalmente como fazer! Acho que na verdade temos muitos bons exemplos à nossa volta, mas preferimos não olhar.

Um forte abraço
Nuno Jacob