terça-feira, 3 de maio de 2011

Uma tarde em Paris...


Sentado nas escadas do Louvre, após ter estado no Café Marly, sinto o calor do Sol na pele e escuto os sons da cidade, da água que corre no lago artificial junto à pirâmide de vidro da entrada do Museu, oiço a música que provêm das arcadas e as vozes internacionais em várias línguas como: francês, português, espanhol, inglês, nórdico e outras.

Observo as fachadas com as várias estátuas que me olham lá de cima e penso quantas cenas se terão passado nesta praça, durante séculos.

Quase consigo sentir e ver as pessoas dessas épocas, com as suas cabeleiras, os vestidos compridos e amplos, as sombrinhas com folhos, as capas compridas a esvoaçarem ao vento quando andam, o acenar do chapéu do cumprimento dos cavalheiros e o movimento discreto das damas. E, claro os Mosqueteiros, com as suas vestes, os chapéus com pluma, botas altas, capas, cintos largos, o espadachim à cintura e a sua proclamação da célebre frase: "Um por todos, todos por um."

Viajar alarga-nos os horizontes do presente, do passado e do futuro, como se tivéssemos uma outra viagem dentro desta actual, num circuito de expansão de consciência, tempo e espaço.

Assim foram algumas das minhas impressões, desta tarde em Paris. Amanhã retorno à minha querida casa de Lisboa e ao país do meu coração, Portugal!
António Pereira

0 comentários: