quarta-feira, 29 de junho de 2011

Ser feliz ou ter razão?


Hoje uma amiga minha e Monitorada, a instrutora Ana Paulo, enviou-me um e-mail com uma história muito curiosa e que para mim faz muito sentido, sobre as relações humanas de todo o tipo, mas principalmente nas afectivas. 

Como gostei muito desse pequeno relato, transcrevo-o aqui, para que os leitores deste blogue também possam absorver o seu exemplo, incorporando na sua forma de ser e de estar e ao mesmo tempom passar adiante aos seus íntimos, amigos e conhecidos, para contagiar mais gente a ter comportamentos mais civilizados, educados, carinhosos e sensíveis. 

Ser feliz ou ter razão?

«Oito da noite, numa avenida movimentada. Um casal já está atrasado para jantar na casa de uns amigos. O endereço é novo e ela consultou o mapa antes de sair. Ele conduz o carro. Ela orienta e pede para que vire, na próxima rua, à esquerda. Ele tem a certeza de que é à direita. Discutem. 

Percebendo que além de atrasados, poderiam ficar mal-humorados, ela deixa que ele decida. Ele vira à direita e percebe, então, que estava errado. Embora com dificuldade, admite que insistiu no caminho errado, enquanto faz o retorno. 

Ela sorri e diz que não há nenhum problema se chegarem alguns minutos atrasados. Mas ele ainda quer saber: 
- Se tinhas tanta certeza de que eu estava indo pelo caminho errado, devias ter insistido um pouco mais... 

E ela diz:  - Entre ter razão e ser feliz, prefiro ser feliz. 

Estávamos à beira de uma discussão, se eu insistisse mais, teríamos estragado a noite! 

MORAL DA HISTÓRIA 

Esta pequena história foi contada por uma empresária, durante uma palestra sobre simplicidade no mundo do trabalho. Ela usou a cena para ilustrar quanta energia nós gastamos apenas para demonstrar que temos razão, independentemente, de tê-la ou não. 

Desde que ouvi esta história, tenho-me perguntado com mais frequência:  «Quero ser feliz ou ter razão?»

Outro pensamento parecido, diz o seguinte: "Nunca se justifique; os amigos não precisam e os inimigos não acreditam". 

Passe esta história aos seus amigos, para ver se o mundo melhora. 

Eu já decidi... EU QUERO SER FELIZ e você? 

"Nunca se justifique. Os amigos não precisam e os inimigos não acreditam." 

SENSACIONAL!!!!!»

Vamos ser felizes e fazer com que os outros também sejam!
António Pereira

5 comentários:

Indy disse...

Muito bom, é mesmo isso. Sempre que tentamos mostrar que estamos certos, insistindo, acabamos por nos perguntar: "O que é que eu ganhei com isso? E a verdade é que não nos sentimos mais felizes por insistir.
Revi-me neste texto, pois já tantas vezes insisti e tentei mostrar que estava certa, mas nunca me sentia feliz quando a discussão acabava. Foi muito bom ler este texto neste momento.

Fátima Damas disse...

Olá Professor,

Inspirador e divertido este post!
Acho que não tenho escolha. Desde que nasci que estou "condenada" a ser Feliz!
E gosto de pessoas que assumem que querem ser felizes. (In)Felicidade é opção de cada um de nós.

Beijinhos
Fátima Damas

Prof. António Pereira disse...

É isso mesmo Indy e Fátima, optar por ser feliz, é uma forma de acção efectiva e dessa maneira contagiamos os outros também.
António Pereira

sandra disse...

Definitivamente, a melhor opção é sempre ser feliz (e fazer os outros felizes também)!

Bjinho
Sandra

Prof. António Pereira disse...

Sem dúvida Sandra!