segunda-feira, 11 de julho de 2011

A importância de defender uma Causa

A importância de ser de uma Causa, dos seus Princípios e Valores Universais, leva ao aperfeiçoamento de quem porta esses conceitos e ao seu autoconhecimento, os quais devem ser vistos aqui como uma salvação de si próprio para poder salvar os outros.

Através da leitura de uma biografia romanceada, escrita por Raquel Ochoa, sobre o trajecto de vida da neta de D. Miguel I e última filha de D. Miguel II - D. Maria Adelaide de Bragança, infanta de Portugal - tive a oportunidade de conhecer a vida de uma mulher excepcional da História Contemporânea de Portugal. Uma mulher que teve a coragem de contornar todos os escolhos que se colocaram no seu caminho e lutar pelo ideal de tornar a sociedade mais justa e harmoniosa.

É um exemplo de como existem pessoas de várias áreas sociais que atravessam e suplantam os próprios paradigmas da zona de conforto social ou seja da sua estirpe e que estão além de qualquer padrão, por serem Livres Pensadores, como a biografada desse livro.


Deixo aqui algumas citações da referida obra: 

«A experiência de guerra fez-me perceber que cada um tem de se salvar a si mesmo.»

«E fiquei sempre com a certeza de que a grande riqueza das pessoas é a experiência, aquilo que vivem e aprendem. O resto não interessa!»

«Sei que a minha vida foi diferente do que poderia ter sido porque estive disposta a morrer por uma causa. Sei o que isso quer dizer. Sei que não há mal que resista a um grupo de pessoas com ideias.» 

«Não ligue às coisas, ligue às pessoas.» D. Maria Adelaide de Bragança - A Infanta Rebelde, de Raquel Ochoa

Exemplos de vida como este devem inspirar-nos, para nos momentos de desalento não desistirmos e irmos em frente, dando também o nosso contributo para construir uma sociedade melhor e mais Livre.
António Pereira

2 comentários:

Cheila Saldanha disse...

"Não ligue às coisas, ligue às pessoas." Que frase tão bonita. Não é que já não a tenha ouvido noutras circuntâncias sobre outras formas, mas esta está bastante expressiva :)

Prof. António Pereira disse...

É verdade essa frase: «Não ligue às coisas, ligue às pessoas.», está carregada de coisas!
Beijos,
António Pereira