segunda-feira, 25 de julho de 2011

Livros donde extraímos inspiração


Na altura do meu aniversário, o aluno José Fernandes do Espaço Lifestyle, ofereceu-me um livro que pelo seu título me suscitou curiosidade e vontade de acabar de ler rapidamente aquele que estava a finalizar na altura. 

Assim aconteceu e comecei a ler o livro «O Tempo Que Já Não Viverei» de Fabio Volo que pelo seu estilo de escrita, se tornou fácil de ler, como se todos os dias quando pegava nele, estivesse a beber um copo de água para saciar a sede.

Desta história interessante, extraí alguns parágrafos inspiradores que nos fazem reflectir e ecoam dentro de nós, os quais irei colocando aqui gradualmente.

Aqui ficam os primeiros trechos desse livro para meditar:

«A escola quase nunca premeia as pessoas inteligentes, prefere as que têm boa memória. Ter boa memória não significa ser inteligente.  Além do mais, para a escola e para a universidade, até uma memória a breve prazo pode ser suficiente.»

«E lembra-te que todos criticam o ego, mas estão prontos a aplaudir quem se distinguiu graças a ele.»

«- Lembra-te que o talento é um dom, mas o êxito é um trabalho.

«- Quero dar-te um conselho, e tu fazes como bem entenderes. A tua força é a autenticidade. Não te esforces por ser o que não és, luta para permaneceres o que és. Tu não tens de procurar nada, já tens tudo; confia, só tens que tomar consciência de ti próprio. Acredita um pouco mais, tenta ter um pouco mais de auto-estima. Não deves procurar uma linguagem nova, mas aprender a escutar a que já possuis. Defende a tua espontaneidade e, entretanto, ganharás também a naturalidade que as pessoas adquirem com o tempo confiando em si próprias. Lembra-te de que viver é a arte de nos tornarmos o que já somos.» de Fabio Volo, in O Tempo Que Já Não Viverei

Boas reflexões!
António Pereira

2 comentários:

Maria Joao disse...

«Algumas pessoas descendem dos macacos, outras aproximam-se deles à medida que crescem.»
Este trecho é delicioso...
Fiquei curiosa e vou comprar o livro porque adorei o que publicou!
abraço
Maria João Marinho

Prof. António Pereira disse...

Maria João,
Essa frase é realmente fabulosa!
Beijos,
António Pereira