domingo, 30 de janeiro de 2011

Um êxito: Olhares de Nyása


O último Olhares de Nyása, com o Prof. Charles Maciel, foi um êxito! Antes de pensar na ideia da proposta desta tertúlia cultural e das questões que deveria colocar ao nosso convidado, fui inspirado pelos objectivos destes Olhares:


OLHARES DE NYÁSA

Olho-me em ti e reencontro-me.
Olhas-te em mim e vês-te.

Identifico-me com aquilo que és,
Porque eu sou tu
E tu és aquilo que eu sou.

Um olhar para dentro de mim
Mergulha por ti,
Em caminhos imaginados em comum
E desenvolvidos por nós.

Olhares de Nyása
São vislumbres de mundos comuns,
Em identificações identificadas
Por viverem no nosso íntimo.

Um mundo para conhecer além,
Daquilo que é visível e invisível.

Olhares de Nyása
São olhares de partilha,
Por aquilo que somos
E pelo que podemos vir a ser.

São Olhares de Conhecimento
De ti, de nós, de todos
Aqueles que partilham
Os mesmos Ideais.

Olhares de Nyása
São Pontes de Informação,
Daquilo que somos e queremos ser.

São mais um caminho,
Para o Autoconhecimento
Individual e colectivo.

Nesses Olhares
Nos sentimos Unos
E completos,
Pela fusão do Tempo
Como uma dissolução.

Na Eternidade
Do Ser Perfeito,
Que habita dentro
De cada Um de Nós.

No final, após algumas horas de boa e agradável conversa, viam-se olhares brilhantes e pairava um sentimento de comunhão e satisfação, por termos conhecido melhor o percurso profissional e o Ser Humano que está por detrás desse lado mais público.

Um grande obrigado, à Unidade da Amadora e restante organização, como os membros das Equipas da Unidade de Faro, Laranjeiras e Telheiras. 

Um agradecimento especial a todos os presentes que resistiram ao cansaço e ficaram até ao fim com o desejo de saber ainda mais. 

E, finalmente um muito obrigado ao nosso convidado, Prof. Charles Maciel, pela receptividade, boa disposição e conversa cativante!
António Pereira

P.S. - No final alguns resistentes, incluindo eu, ainda tiveram forças  e energia para irem dar um pézinho de dança, encerrando da melhor forma esta noite espectacular.

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Olhares de Nyása, com Charles Maciel


É amanhã, sábado dia 29 de Janeiro à noite, a partir das 22 horas que reiniciaremos a Tertúlia Cultural Olhares de Nyása, desta vez na Unidade da Amadora - Método DeRose.

Desta vez teremos como convidado especial o Prof. Charles Maciel, professor do Método DeRose com vinte anos de magistério deste Método, Director do Office, empresa de distribuição de material didáctico desta Cultura, com sede em S. Paulo - Brasil.

Será uma oportunidade bem divertida e um momento importante para conhecermos melhor o profissional, mas também o homem extremamente humano que há por trás. Vem participar!
António Pereira

Sankalpa Band


Aqui deixo a minha admiração pelo excelente trabalho musical que o grupo Sankalpa Band tem feito com os seus arranjos criativos integrando mantras ancestrais.

Pela excelência e qualidade do seu som, profissionalismo e dedicação eles merecem todo o nosso apoio, respeito e admiração.

Fica aqui um exemplo do seu trabalho:


Agora é ouvir as restantes músicas em CD e ao vivo, curtir e apoiar!
António Pereira

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Esperança e acção


Em Portugal, está muito no nosso inconsciente a "espera" de algo; um advir de um melhor futuro, como se as coisas não estivessem inscritas no presente. Teimamos em não fazer o luto com o passado e o presente menos bom, para podermos estar libertos para um futuro melhor.

Esperar está ligado a uma inércia e apatia letárgica que nos impede de agirmos e de sermos nós próprios, perdendo a nossa identidade.

Ficamos à espera que outros resolvam por nós os nossos problemas e infelizmente é isso que se passa actualmenter no nosso país.

Ter esperança, pode ser impulsionador se esta for bem canalizada em acções, mas por outro lado pode ser um factor de inércia, por nos impedir de agir pelo facto de esperarmos que algo surja e nos resolva os problemas, como um D. Sebastião que há-de vir das brumas do nevoeiro para salvar o país.


Estar desesperado é o auge da esperança aplicada em acção. É o querer reencontrar-se e libertar-se da letargia envolvente da esperança mal canalizada e conseguir fazê-lo, porque a acção afasta a apatia e revela outras opções e novos paradigmas que estavam obscurecidos por esta.

Existe uma inércia colectiva que parece nos impedir de avançar e isso é extremamente enervante. Às vezes basta mudar de lugar, de perspectiva, de ângulo ou entendimento para percebermos que é possível mudar e tornar aquilo que era esperança numa realidade.

Na inércia está o descalabro e a raiz da acomodação e da apatia. Na acção está a solução e o desbravar de novos horizontes, como os Descobridores o fizeram há 500 anos. 
António Pereira

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Olhares de Nyása, com Charles Maciel


O Olhares de Nyása está de volta! Esta é uma actividade em forma de Tertúlia organizada pela Federação do Método DeRose Portugal, com o objectivo de proporcionar um melhor conhecimento humano e da caminhada profissional dos Professores e Instrutores do nosso Método que dirigem as Escolas.

Está também contemplado no objectivo desta actividade cultural, dar a conhecer o trajecto pessoal e profissional de outras pessoas ligadas a áreas artísticas e científicas que nos enriqueçam e inspirem culturalmente com a sua história de vida.

Desta vez temos o privilégio de contar para esta conversa,  conduzida por mim como moderador, com o professor Charles Maciel, Director do Office (empresa de distribuição de material didáctico do Método DeRose, no Brasil) e Professor deste Método fazem mais de 20 anos. 

Fica aqui o convite para se conhecer melhor o percurso, vivências e experiências deste líder da cultura DeRose! Sábado, dia 29 de Janeiro, às 22h, na Unidade da Amadora - Método DeRose.
António Pereira

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

24 de Janeiro: um dia a não esquecer!


Este é um dia muito especial para mim, desde há nove anos! Um dia em que fui, estive e voltei da Terra de Ninguém. 


Há coisas que são importantes de se recordar e manter vivas na nossa memória, para não voltarmos a cair em erros semelhantes e que esses episódios marcantes na nossa vida, se tornem experiências enriquecedoras e inspiradoras para nós e para os outros.
António Pereira

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Saber de onde vimos e para onde vamos


Pouca vezes fazemos a reflexão, em termos gerais de país e pessoais de antecendentes familiares, sobre a nossa origem para sabermos para onde temos de ir. 

A importância dessa análise é a de se obter um melhor conhecimento do passado cultural do nosso povo, porque um povo que tem mais consciência da sua cultura, tem mais noção de quem é e estará melhor para poder recuperar e aumentar a sua confiança.

Um certo estar psicológico e emocional do nosso povo tem a ver com um passado de Ouro que se perdeu e anos de isolamento e restrição da liberdade individual. Ter noção desse passado é uma forma também de se poder resolver alguma coisa com o presente e assim abanar a acomodação e apatia que se instala em muita gente e instituições.

Devemos olhar para esses homens e mulheres que desbravaram mundos (ainda andam por aí) e construiram uma Nação que foi Descobrindo o Mundo, através de barcos "casca de noz", levando uma Visão Humanitária e curiosa sobre tudo e que acabaram por se mesclar com outras Culturas e aprenderam com elas coisas desconhecidas nossas e fizeram pontes culturais com a Índia, Brasil, Europa, etc. 


É um exemplo que deve ser resgatado das nossas memórias ancestrais e colocado em prática com um orgulho sadio, peneirando aquilo que foi menos bom nesse passado, para somente aproveitarmos o melhor de nós e levantar o Esplendor de Portugal.

Isso requer uma mudança de atitude. Mudar paradigmas e mudar conceitos. Abrir a mente e o coração para outras perspectivas, para sermos cada vez mais vitoriosos.

Praticar as Técnicas e aplicar os Conceitos do Método DeRose, na vida é um excelente exemplo de como podemos mudar para melhor se assim o quisermos, trazendo connosco o melhor do passado, para aperfeiçoar o presente e projectar no futuro aquilo que merecemos pelo mérito do nosso esforço e capacidade de realização. Basta querermos e termos a humildade de aprender com tudo aquilo que a vida nos presenteia.
António Pereira

domingo, 16 de janeiro de 2011

Impressões...


Conversas saídas da minha cabeça, carregadas de ideias aparentemente incompreensíveis para ti e para outros. 

Poderia dizer-te aquilo que queres ouvir, mas tudo é diferente quando necessitamos de ouvir e sentir o que outros sentem e pensam de nós.

Necessitamos de ouvir as palavras saídas do coração de cada um, mesmo que o brilho nos olhos nos diga o significado desse olhar, precisamos de perceber e sentir.

Não sei aonde vamos, com estas conversas vindas de um lugar comum a todos nós. Renascidas de cinzas intemporais, elas escorrem pela nossa cabeça numa conversa sem obstáculos, sem filtros, sem julgamentos.

Não sei se consegues entender, se consegues sentir e se consegues ser tu mesmo e abrir o teu coração, áquilo que vai no teu íntimo.

Só assim, os nossos corações poderão deixar aflorar nos nossos olhos, aquilo que somos, sem as barreiras do Ego e da Cultura de onde provimos.

Talvez tudo não passe de um sonho, de uma fantasia que nunca conseguiremos ver concretizada nesta vida, neste tempo.

Só um Sonhador, só quem quer o Intangível poderá ir tão além, com o risco de pagar um alto preço, pelo qual vale a pena tentar, porque nas nossas veias, no nosso código interno está marcado a fogo que esse é o desígnio dos audazes de espírito, dos paladinos da Verdade vivente nas nossas células.

Essa é uma das únicas certezas de que vale a pena continuar a ir, sempre mais para lá daquilo que conseguimos discernir e ver em cada um, por sermos também um, dentro de um Todo maior que todos nós.
António Pereira

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

The Special One!


Aquilo que era justo e esperado aconteceu. O Special One, José Mourinho, ganhou o prémio de melhor treinador do mundo, conferido pela FIFA. 

O mais interessante é saber que foram principalmente os capitães das Selecções que votaram maciçamente nele, o que quer dizer ser querido dos jogadores. 

Isso ficou bem explícito antes de ser anunciado o prémio, quando o jogador do Inter de Milão, Sneijder que foi treinado por Mourinho nessa equipa, disse que ele era o melhor treinador do mundo, quase fazendo Mourinho chorar.



Orgulho de ser português!
António Pereira

Palestra na Livraria Buchholz, em Lisboa


Esta 5ª feira, dia 13 de Janeiro, às 13:30, irei dar uma Palestra na Livraria Buchholz, uma referência cultural em Lisboa, perto do Marquês de Pombal.

Esta iniciativa é da responsabilidade da Unidade Marquês de Pombal - Método DeRose e contará além da Palestra com o tema: Método DeRose e Qualidade de Vida, exposição dos nossos livros e com a apresentação de Coreografias executadas pelos demonstradores Etianette Melo (Método DeRose - Laranjeiras) e Pedro Cardoso (Método DeRose Cascais).

A Livraria Buchholz fica na R. Duque de Palmela 4, a antiga rua do semanário Expresso, junto ao Marquês de Pombal.

Aparece! Gostava muito de contar com a tua presença!
António Pereira

domingo, 9 de janeiro de 2011

Pensamento de uma noite...

Todas as experiências que temos, acabam por nos levar a ser alguém que temos que ser e que temos o potencial para ser, porque isso está escrito no nosso ADN e nas estrelas.
António Pereira

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Solidão...


Muitas vezes observamos e sentimos solidão à nossa volta ou em nós, quanto estamos sós ou mesmo quando estamos acompanhados. Um sentimento concreto e outras vezes difuso e abstracto, com um misto de angústia e de um não sei o quê.

Umas vezes somos nós que queremos estar sozinhos para nos encontrarmos, outras vezes sentimo-nos assim mesmo acompanhados e esta acaba por ser uma forma madrasta de a solidão se fazer sentir.

Uma amiga de antigamente, reencontrada pelo Facebook no início deste ano, enviou-me um texto fabuloso que resolvi partilhar aqui:


"Solidão não é a falta de gente para conversar, namorar, passear ou fazer sexo... Isto é carência.
Solidão não é o sentimento que experimentamos pela ausência de entes queridos que não podem mais voltar... Isto é saudade.
Solidão não é o retiro voluntário que a gente se impõe, às vezes, para realinhar os pensamentos... Isto é equilíbrio.
Solidão não é o claustro involuntário que o destino nos impõe compulsoriamente para que revejamos a nossa vida. .. Isto é um princípio da natureza.
Solidão não é o vazio de gente ao nosso lado... Isto é circunstância. 
Solidão é muito mais do que isto.
Solidão é quando nos perdemos de nós mesmos e procuramos em vão pela nossa alma...." 
de Francisco Buarque de Holanda 

Achei fantástico e gritante na forma como expressa algo que muitos de nós já sentimos.
António Pereira

As mudanças previstas no mundo até 2025


De acordo com um estudo internacional sobre as grandes mudanças que podem ocorrer no mundo até 2025, aumentará o número de pessoas com mais de 60 anos, os quais serão o grupo etário em que o poder de compra aumentará consideravelmente.

Em termos de consumo, o design e o marketing de produtos estará particularmente focado em atrair os idosos e provavelmente os CDs, DVDs, livros e talvez o dinheiro, poderão vir a ter uma existência digital.

Os cartões de fidelidade e as compras em grupo serão novas aplicações que oferecerão descontos se os bens e serviços forem adquiridos pela net.

Serão as comunidades de utilizadores da net que irão comparar a qualidade de serviços e preços, trocando informações e posteriormente recomendando ou não esses produtos.


Quanto aos recursos naturais haverá mais inovação que evitará o desperdício valorizando ainda mais estes que poderão ser mais escassos.

A democracia deverá ter de se adaptar a novas formas de participação cívica dos cidadãos e das Instituições privadas, como as ONGs, associações filantrópicas, etc.

Até 2025 poderão ocorrer duas ameaças disruptivas: poluição, crises económicas, pandemias globais, ataques informáticos, desastres naturais, etc.

Em Portugal deverá apostar-se mais na Educação para se dar um salto na qualidade e na inovação, gerando mais tecnologia, mais inteligência e vantagens competitivas. 


Na opinião de Martin Walker (historiador), líder do think thank Global Business Policy Council da consultora A.T.Kearney:

"O mundo poderá ser um lugar melhor, se alguma tecnologia mais recente vier a ser adoptada..."

"A Europa Ocidental será o melhor lugar para viver, desde que a idade de reforma seja adiada e o sistema de pensões e as universidades sejam reformados."

"O Estado social na Europa - e nos EUA - tem de ser reformulado e repensado."


"Provavelmente, teremos de aumentar a idade de reforma na Europa para 67 anos, em 2015, e para 70 anos, em 2025. O ideal seria que a reforma passasse a ser voluntária."

"Precisamos de repensar os sistemas de ensino superior para que sejam mais do que um ritual de passagem semi-intelectual para adolescentes tardios. As universidades devem oferecer aprendizagem pela vida fora a pessoas de 30, 40 e 50 anos."     in Visão, 30 de Dezembro de 2010   

Um dos conselhos que ele daria aos líderes mundiais seria:

"... assegurar que todas as raparigas frequentem a escola durante, pelo menos, dez anos, em qualquer parte do mundo."

Veremos se estas previsões se irão concretizar e aquilo que poderá ser melhorado até 2025.
António Pereira

domingo, 2 de janeiro de 2011

Sobre a "crise"...


A minha amiga Fernanda Freitas, tinha hoje no Facebook uma citação do grande Einstein, cujo texto gostei tanto que resolvi partilhar aqui:

“Não pretendemos que as coisas mudem, se sempre fazemos o mesmo. A crise é a melhor benção que pode ocorrer com as pessoas e países, porque a crise traz progressos. A criatividade nasce da angústia, como o dia nasce da noite escura. É na crise que nascem as invenções, os descobrimentos e as grandes estratégias. Quem supera a crise, supera a si mesmo sem ficar “superado”.
Quem atribui à crise seus fracassos e penúrias, violenta seu próprio talento e respeita mais aos problemas do que às soluções. A verdadeira crise, é a crise da incompetência. O inconveniente das pessoas e dos países é a esperança de encontrar as saídas e soluções fáceis. Sem crise não há desafios, sem desafios, a vida é uma rotina, uma lenta agonia. Sem crise não há mérito. É na crise que se aflora o melhor de cada um. Falar de crise é promovê-la, e calar-se sobre ela é exaltar o conformismo. Em vez disso, trabalhemos duro. “Acabemos de uma vez com a única crise ameaçadora, que é a tragédia de não querer lutar para superá-la”. Albert Einstein botaprafazer.wordpress.com

Para reflectir bastante e depois agir muito!
António Pereira

sábado, 1 de janeiro de 2011

30 anos de carreira, 50 anos de vida!


Este ano de 2011, comemoro 30 anos de carreira profissional como Professor do Método DeRose, o qual comecei a praticar em 1977 e também faço 50 anos de vida.

É um ano importante para mim, pelo tempo de trabalho com este Método, mas também pelo tempo de vida de meio século, que nos leva a reflectir sobre os próximos anos e nas mudanças que se tornam necessárias ao olharmos para o passado e ver aquilo que poderia ter sido melhor, para no futuro próximo seja mais de acordo com aquilo que no íntimo e a intuição nos dita.

Será concerteza um ano de grandes conclusões e transformações!
António Pereira