quinta-feira, 28 de julho de 2011

Novo Olhares de Nyása, no Porto


Será no próximo dia 6 de Agosto de 2011, às 21horas, na Unidade Boavista - Porto, que se realizará o próximo Olhares de Nyása, para alunos e instrutores do Método DeRose e seus convidadosDesta vez, passarei de moderador, a convidado entrevistado pelo meu amigo e colega Prof. Luis Lopes.

Quem quiser poderá jantar no mesmo local, às 20 horas, fazendo previamente a sua inscrição. Depois é só aguardar o início desta Tertúlia Cultural que tem como objectivo apresentar o lado humano e profissional dos entrevistados e falar sobre o seu trajecto com o Método DeRose.

Desta vez é uma excelente oportunidade para ficar a conhecer o meu trajecto de praticante, estudioso e profissional do Método DeRose, desde 1977 até hoje. 

Gostava de poder contar com a máxima participação de todas as Escolas, Instrutores e alunos, para assim também entenderem melhor a história do nosso Método em Portugal.
António Pereira

quarta-feira, 27 de julho de 2011

Mais frases para reflectir 2


Ficam aqui mais algumas frases do livro «O Tempo Que Já Não Viverei" de Fabio Volo:

«Não existe nada de mais revolucionário no mundo do que fazer bem e com qualidade aquilo que se faz.»

«Não sou contra as drogas, mas contra a incapacidade de viver sem elas.»

Existem pessoas, amigos e conhecidos que estão constantemente a criticar tudo e todos, excepto eles próprios. Tornam-se cansativos e acabam por gerar mau ambiente. Levam-nos assim a não querer conviver com eles muito frequentemente, por que nos deixam desgastados. 

Sobre a crítica e o medo implícito nessas críticas temos uma frase muito boa no livro mencionado no início deste post:

«Se uma pessoa está constantemente a criticar os outros, acaba por criar uma grande expectativa sobre si próprio e por construir sozinho a sua própria armadilha. Quanto mais se critica, mais expectativas se cria, e quanto mais expectativas se cria, maior é o medo de errar. E, frequentemente, em vez de agir, a pessoa fica-se pelas desculpas infindáveis. Quem critica, o mais das vezes, tem medo.»


«Muitas vezes, o facto de não estarmos satisfeitos connosco gera crueldade para com os outros.»


«Há uma idade em que um homem sabe o que está em condições de fazer, quais são as capacidades e, sobretudo, o que não pode fazer.»

«Ainda hoje procuro estar perto de pessoas melhores do que eu. Preciso de alguém que me estimule a alcançar objectivos mais elevados, por isso detesto aqueles que se rodeiam de yes men

«Quanto mais eu subia na escada do êxito, mais só me sentia.»

«Lembra-te, a vida é uma doença mortal, por isso é preciso gozá-la. Hoje estás bem? Aproveita!»
António Pereira

terça-feira, 26 de julho de 2011

Mais frases para reflectir


Na continuação do post de ontem, aqui ficam mais algumas frases do livro «O Tempo Que Já Não Viverei» de Fabio Volo:

«Mostrar as próprias virtudes nem sempre compensa. Há ocasiões em que mais vale escondê-las.»

«A própria arte, para ser liberdade total, deve ser calculada.»

«Algumas pessoas descendem dos macacos, outras aproximam-se deles à medida que crescem.»

«A insatisfação gera trabalho.»

«Eu entendo, simplesmente, que, se uma pessoa vive com mais estímulos, no meio de pessoas diferentes, em ambientes mais variados, muda a sua maneira de pensar.»

«A inteligência que cada um de nós possui murcha se não lhe for dada a possibilidade e a ocasião de se aplicar em qualquer coisa.»

«Se não te perdes, não encontras caminhos novos.»

«A coragem de arriscar é a bitola com que se mede as pessoas.»

Para finalizar, no mesmo livro tem uma citação de Camus extremamente interessante:

«Girando sempre sobre si próprio, vendo e fazendo sempre a mesma coisa, perde-se o hábito e a possibilidade de exercitar a inteligência e, pouco a pouco, tudo se fecha, endurece e se atrofia como um músculo.»
António Pereira

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Livros donde extraímos inspiração


Na altura do meu aniversário, o aluno José Fernandes do Espaço Lifestyle, ofereceu-me um livro que pelo seu título me suscitou curiosidade e vontade de acabar de ler rapidamente aquele que estava a finalizar na altura. 

Assim aconteceu e comecei a ler o livro «O Tempo Que Já Não Viverei» de Fabio Volo que pelo seu estilo de escrita, se tornou fácil de ler, como se todos os dias quando pegava nele, estivesse a beber um copo de água para saciar a sede.

Desta história interessante, extraí alguns parágrafos inspiradores que nos fazem reflectir e ecoam dentro de nós, os quais irei colocando aqui gradualmente.

Aqui ficam os primeiros trechos desse livro para meditar:

«A escola quase nunca premeia as pessoas inteligentes, prefere as que têm boa memória. Ter boa memória não significa ser inteligente.  Além do mais, para a escola e para a universidade, até uma memória a breve prazo pode ser suficiente.»

«E lembra-te que todos criticam o ego, mas estão prontos a aplaudir quem se distinguiu graças a ele.»

«- Lembra-te que o talento é um dom, mas o êxito é um trabalho.

«- Quero dar-te um conselho, e tu fazes como bem entenderes. A tua força é a autenticidade. Não te esforces por ser o que não és, luta para permaneceres o que és. Tu não tens de procurar nada, já tens tudo; confia, só tens que tomar consciência de ti próprio. Acredita um pouco mais, tenta ter um pouco mais de auto-estima. Não deves procurar uma linguagem nova, mas aprender a escutar a que já possuis. Defende a tua espontaneidade e, entretanto, ganharás também a naturalidade que as pessoas adquirem com o tempo confiando em si próprias. Lembra-te de que viver é a arte de nos tornarmos o que já somos.» de Fabio Volo, in O Tempo Que Já Não Viverei

Boas reflexões!
António Pereira

terça-feira, 19 de julho de 2011

Como seria bom...


Como seria bom que conseguissemos ver as coisas, de vez em quando, sem o envolvimento da emoção e de uma forma pura e cristalina. Conseguir ver e discernir, de fora, como se fossemos observadores de nós próprios e ter a capacidade de sentir aquilo que o outro sente e pensa, para percebermos melhor as suas respostas, expectativas, medos e receios. Tudo isso sem perder as emoções nobres, mas sem deixar que as pesadas nos atravanquem a lucidez para tomar decisões mais justas, correctas e equilibradas.

Quantos conflitos seriam evitados, quantas amizades seriam preservadas e fortalecidas, quantos amores ficariam mais quentes e eternos, quantas coisas poderiam ser mais rapidamente construidas e concretizadas, quanto stress seria evitado e quanta preservação da nossa saúde seria conquistada.

Mas tudo isso leva tempo e esforço para levantar as nossas «defesas» e as «garras», que muitas vezes erguemos e mostramos para nos defendermos, do nosso próprio medo de que os outros possam ver as nossas fragilidades.

Se conseguirmos estar abertos a aprender nesta viagem que é a vida e tirar conclusões que nos permitam evitar cometer os mesmos erros e desenvolver o conhecimento para crescer ao lado dos outros, como seria bom! Conseguiriamos ver tudo de uma outra forma, mais leve e feliz para nós e para os outros!

Uma das soluções está na prática das Técnicas do Método DeRose, no convívio com os amigos, na aprendizagem dos Conceitos deste Método e na sua aplicação na vida. Tudo isso contribui para desbloquear a nossa barreira que não nos permite ver as coisas de uma outra forma, sem a distorção que às vezes as emoções nos geram. 

Conseguiremos se nos aplicarmos inteiramente nesse processo de transformação e aperfeiçoamento em direcção ao autoconhecimento.
António Pereira

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Civilidade


Um pensamento para meditar e incorporar nos hábitos de vida.

«Civilidade é quando realizamos os atos mais instintivos da forma mais refinada.» DeRose

Uma boa semana para todos!
António Pereira

terça-feira, 12 de julho de 2011

Como proceder numa fuga de gás


A melhor forma de evitar um problema ou acidente é prevenir. Para isso necessitamos de ter a informação adequada atempadamente, de forma a enfrentarmos da melhor maneira a situação.

Nesse sentido, quantos de nós sabe o que deve e não deve fazer quando houver uma fuga de gás?

Deve-se fazer o seguinte quando se detecta uma fuga ou cheiro a gás:

Não fume, não faça lume.

Não accione interruptores ou campaínhas.

Não ligue nem desligue aparelhos eléctricos nem telefones.

Não use o elevador.

Areje de imediato o local abrindo portas e janelas.

Utilize as escadas.

Feche a válvula de segurança junto ao contador e aos aparelhos de gás.

Afastado do local contacte a Linha de Emergência 112 (ou o contacto que se encontra no canto superior esquerdo da factura, referente à empresa de gás) ou os Bombeiros.

Não entre em pânico!

Procure memorizar estas informações para em caso de necessidade saber actuar convenientemente.
António Pereira

segunda-feira, 11 de julho de 2011

Trabalho de equipa

Através do meu amigo e colega Prof. Luis Lopes, actual Presidente da Federação do Método DeRose de Portugal, conheci este fantástico filme sobre o trabalho de Equipa das formigas, cuja lição deve ser absorvida por nós humanos.



Agora é colocar em prática!
António Pereira

A importância de defender uma Causa

A importância de ser de uma Causa, dos seus Princípios e Valores Universais, leva ao aperfeiçoamento de quem porta esses conceitos e ao seu autoconhecimento, os quais devem ser vistos aqui como uma salvação de si próprio para poder salvar os outros.

Através da leitura de uma biografia romanceada, escrita por Raquel Ochoa, sobre o trajecto de vida da neta de D. Miguel I e última filha de D. Miguel II - D. Maria Adelaide de Bragança, infanta de Portugal - tive a oportunidade de conhecer a vida de uma mulher excepcional da História Contemporânea de Portugal. Uma mulher que teve a coragem de contornar todos os escolhos que se colocaram no seu caminho e lutar pelo ideal de tornar a sociedade mais justa e harmoniosa.

É um exemplo de como existem pessoas de várias áreas sociais que atravessam e suplantam os próprios paradigmas da zona de conforto social ou seja da sua estirpe e que estão além de qualquer padrão, por serem Livres Pensadores, como a biografada desse livro.


Deixo aqui algumas citações da referida obra: 

«A experiência de guerra fez-me perceber que cada um tem de se salvar a si mesmo.»

«E fiquei sempre com a certeza de que a grande riqueza das pessoas é a experiência, aquilo que vivem e aprendem. O resto não interessa!»

«Sei que a minha vida foi diferente do que poderia ter sido porque estive disposta a morrer por uma causa. Sei o que isso quer dizer. Sei que não há mal que resista a um grupo de pessoas com ideias.» 

«Não ligue às coisas, ligue às pessoas.» D. Maria Adelaide de Bragança - A Infanta Rebelde, de Raquel Ochoa

Exemplos de vida como este devem inspirar-nos, para nos momentos de desalento não desistirmos e irmos em frente, dando também o nosso contributo para construir uma sociedade melhor e mais Livre.
António Pereira

terça-feira, 5 de julho de 2011

Pensamentos sobre a adversidade


Existem pessoas que têm no seu ADN a longanimidade, para enfrentar qualquer contrariedade até alcançarem o seu objectivo, saindo dessa circunstância ainda mais fortes e sábias.

No sentido de inspirar todos os resilientes a fortalecerem ainda mais a sua capacidade de luta no contorno dos obstáculos que dificultam o alcance das suas metas, deixo aqui alguns pensamentos inspiradores: 

«A adversidade desperta em nós capacidades que, em circunstâncias favoráveis, teriam ficado adormecidas.» Horácio

«A adversidade é um trampolim para a maturidade.» Charles Caleb Colton

«A adversidade põe à prova os espíritos.» William Shakespeare


«Na maior parte dos homens, as dificuldades são filhas da preguiça.» Samuel Johnson


«Não há exemplos na História de se ter conquistado a segurança pela covardia.» Léon Blum

«Os golpes da adversidade são terrivelmente amargos, mas nunca estéreis.» Ernest Renan

«Para que toda a energia da alma se desfira, os rigores da adversidade são-lhe de proveito.»François René de Chateaubriand

São pensamentos para tornar o caminho menos duro e para em momentos de desânimo, nos inspirarmos nas palavras daqueles que passaram por experiências semelhantes.
António Pereira

segunda-feira, 4 de julho de 2011

Um pensamento

«As melhores e mais bonitas coisas neste mundo não podem ser vistas nem ouvidas, mas ser sentidas com o coração.»(DeRose)