terça-feira, 15 de maio de 2012

Como são feitos os campeões


Ser campeão em algo, requer têmpera, fibra, disciplina, desejo, uma visão e um sonho que direcione para o objetivo e dê as forças e energias, quando elas faltarem.

A diferença entre um campeão e um não campeão, é a capacidade de descobrir dentro de si uma força e uma energia extra nos momentos necessários para poder vencer. Ser campeão, é ter a autoestima de acreditar em si e nas qualidades que foram aperfeiçoadas pelo treino disciplinado, que cria e fortalece as condições para vencer as adversidades.

Ser campeão é ter a capacidade de se levantar após uma derrota, com a visão de se melhorar para ganhar de uma próxima vez. Ser campeão é ser capaz de aprender com os erros e usar essa força para se tornar ainda melhor e levantar-se sempre que cair e continuar até à vitória final.

"Campeões não são feitos em academias. Campeões são feitos de algo que eles têm profundamente dentro de si — um desejo, um sonho, uma visão." José Mourinho, o melhor treinador de futebol do mundo e atual treinador do Real Madrid. O único treinador a vencer os campeonatos de Portugal, Inglaterra, Itália e Espanha.


Ser campeão é ser capaz de vencer as suas próprias limitações e aperfeiçoá-las para que se tornem virtudes. É ter a fibra para lutar diariamente para se superar cada vez mais e vencer a acomodação natural que impregna o comum dos mortais.

Ser campeão é ter a fibra para se conhecer melhor, com as suas qualidades e limitações e adaptar-se às circunstâncias, transformando-se por meio do seu aperfeiçoamento até alcançar a vitória pretendida. Melhorar constantemente a sua perfomance é um apanágio dos campeões!

Trabalhar para ser um campeão, é algo possível para aqueles que se foquem no uso de uma metodologia de transformação e aperfeiçoamento do ser humano.

Torne-se um campeão ou seja uma pessoa ainda melhor, usando as Técnicas e Conceitos do Método DeRose, método de alta perfomance profissional e desportiva que também aumenta a sua qualidade de vida e o seu autoconhecimento.
António Pereira

0 comentários: