sexta-feira, 3 de março de 2017

Março, mês da Primavera!

Março é o mês da Primavera, época de renovação da Natureza e como tal uma boa época para adoptar novos hábitos de vida que sejam mais saudáveis. 

É um excelente mês para finalmente começar a sua prática de Yoga connosco, ainda para mais com a fantástica Campanha que temos em vigor durante este mês:


Não perca esta excelente oportunidade e comece já!
António Pereira

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

Quando se fala de Yoga


Cada vez se fala mais sobre Yoga, mas infelizmente a maioria das vezes sem se ter um conhecimento adequado, ficando-se pela superficialidade e pelos aspectos mais estereotipados e consumistas que podem cativar mais um certo público e afastar um outro tipo de pessoas.

Por isso quando falamos de Yoga, o conceito acerca desta filosofia de vida remete-nos para um espectro extremamente vasto de conceitos filosóficos, dos quais resultam vários tipos de Yoga. Cada modalidade de Yoga desenvolve mais certas capacidades humanas, por isso cada pessoa, de acordo com o seu carácter pode ter mais empatia com um certo tipo de Yoga, em vez de outro, dependendo das suas aspirações, objectivos e potencialidades, ou ainda utilizar uma combinação adequada de várias técnicas de Yoga (Michael, 1978). 

Assim, devemos ter em conta a época histórica em que surgiram essas modalidades de Yoga e consequentemente as suas bases filosóficas comportamentais e especulativas pelo facto de que elas nos podem apresentar aspectos e conceitos antagónicos na forma de entender esta filosofia de vida.

Se bem que as técnicas possam ser as mesmas, a forma de as executar e entender e a metodologia e pedagogia na maneira de ensinar serão com certeza diferentes e consequentemente irão atrair mais certo tipo de pessoas e afastar outras.

Nesse sentido, podemos dizer que existe uma modalidade mais adequada a cada pessoa e dentro dessa modalidade terá de se levar em conta também a escola e o professor que orienta, tendo em consideração a sua formação e a empatia que se possa desenvolver com este.

Fora esse amplo espectro de diversidade de escolas com fundamentações diversas, ainda existem hoje em dia infelizmente algumas modalidades que usam o nome Yoga, mas que formalmente não poderemos considerar que o sejam pelo facto de não levarem à proposta desta filosofia e ficarem somente por aspectos técnicos muitas vezes adaptados e caricatos para produzirem uma novidade e certos resultados mais superficiais.

Concluindo, é importante ter conhecimento desta diversidade para não colocar tudo no "mesmo saco", como popularmente se diz e perceber as diferenças, a autenticidade, a experiência, a metodologia, a formação e a orientação do trabalho de uma escola ou dos seus profissionais.

No nosso caso, fruto de uma experiência de 4 décadas de estudo, prática e ensino do Yoga Antigo, na modalidade do SwáSthya Yoga e de outras modalidades, aliado aos recursos científicos mais actuais e à minha formação académica como Mestre em Treino Desportivo e Doutorando em Educação Física e Desporto, passámos a desenvolver um trabalho em que utilizamos todos os recursos técnicos do Yoga, fundamentado numa visão ancestral, naturalista, científica e que tem em consideração a liberdade e o livre-arbítrio do indivíduo para podermos ensinar e direccionar o Yoga para os objectivos que sejam delineados previamente ou no momento e incrementar na vida do praticante um lifestyle coerente com o Yoga.

Este foi o primeiro de uma série de artigos sobre Yoga, Lifestyle, Alto Rendimento, Recuperação, Bem-Estar, entre outras temáticas, pelo que numa próxima publicação, falaremos sobre a definição formal do que é o Yoga e a proposta desta fascinante filosofia de origem indiana!

Caso tenha interesse em conhecer melhor o nosso trabalho, entre em contacto connosco pelo link: http://www.antoniopereirayoga.com/pt/yogalisboa

Pereira, A., (2016). Recuperação Psicológica e Física de Nadadores Através do Yoga: Efeitos no Bem-Estar. Dissertação de Mestrado em Treino Desportivo de Alto Rendimento, Faculdade de Educação Física e Desporto da Universidade Lusófona, Novembro 2016.
António Pereira

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Vibrações...

Poderiam haver muitas formas de encontrar ouro em pó, mas a maioria desconhecia a existência dessa riqueza que habita dentro de cada um e corre nas veias desde as profundidades do ser. 

A magia do ar agita a consciência e permite-nos ver a liberdade que flue no vento. Contudo, na azáfama diária poucos são os que estão atentos a esses sinais do tempo e do espaço que nos ligam entre nós.

No silêncio da noite, ao caminhar pelas ruas desertas, os meus passos são os teus na construção de algo que vai se erguendo dentro de cada um de nós, por sermos seres especiais à nossa maneira e poucos são como cada um de nós.

Um som inesperado parece uma música que cantarolamos internamente para nos aquecer o coração e nos dar a iluminação no olhar, naquele sorriso mágico que nos catapulta para um lugar além deste momento, contigo e comigo!

Na realidade o ouro em pó, existe dentro de cada um de nós e somente temos de nos alimentar e cuidar de modo a que ele se manifeste no nosso potencial de realização, ao qual temos a percepção quando deixamos o Amor fluir sem receios de ridículo, ao nos fundirmos com outra Alma que vibre como nós, como sempre sonhámos!

Deixa o teu coração ficar leve e amar intensamente a vida e quem te faça sentir bem contigo e entrosado com o Universo, que te direcione para a tua realização como Ser Humano que desabrochou todo o seu Potencial!

Deixa as vibrações incendiarem os teus sentidos para te poderes sentir e fundir numa Alma Superior e realizares os desígnios da tua presença aqui e agora, neste momento, nesta realidade.

Apaixona-te pela Vida! Apaixona-te por ti e por quem mereça o teu Amor! Ama e ama cada vez mais, mesmo que o teu coração tenha sido massacrado no passado, é um outro tempo, um outro momento e mereces ser feliz como mereces fazer outro feliz!

Um ano repleto de Amor, em todos os momentos e tempos para que a vida seja mais leve, prazerosa e solidifiques o teu ouro em pó!
António Pereira


quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Ano Novo, Vida Nova!

Estamos a finalizar o ano de 2016 e a iniciar 2017. Fechamos um ciclo e abrimos um outro que esperamos seja mais de acordo com as nossas aspirações! 

A vida é feita de mudanças, pelo que é necessário estar receptivo a estas e melhor ainda preparar e projectar as mudanças que queremos e precisamos.

De modo, a que tudo se desenrole da melhor forma e esta não quer dizer aquela que queremos, mas a que a Vida escolheu ser melhor para nós, é necessário deixar fluir e estar com a atenção no presente.

Isso somente funciona se desenvolvermos uma atitude autolética ou seja a disposição de fluxo que ocorre no estado de meditação ou no treino para esta.

Atitude essa expressa na décima norma ética do Yoga, o Íshwara Pranidhana, o qual significa precisamente, a auto-entrega ou entrega à Vida, ou o tradicional "Seja o que Deus quiser" ou numa versão popular "Que se lixe!"

Porém, antes disso temos de definir claramente quais são os nossos objectivos e decisões de mudança para um novo ano e trabalhar nesse sentido e somente então entrar num estado de fluxo e deixar a Vida trabalhar para nos trazer o que necessitamos para evoluir e alcançar o nosso verdadeiro potencial e realização.

Tire um tempo para si nestes dias finais do ano e reflicta sobre o ano que passou, as mudanças que aconteceram e aquilo que alcançou, como também o que ficou áquem e defina um plano claro e exequível do que pretende para o novo ano. 

Escreva esses desejos e concentre-se neles alguns minutos de olhos fechados, criando imagens e sensações do desejado para gerar um arquétipo de mudança e facilitar a sua preparação para os concretizar.

Desejo que tenha um Bom e Excelente Ano Novo de 2017!
António Pereira

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Fim de um ciclo de 3 anos!


Passaram três anos, após a conversa que tive algures em Fevereiro ou Março de 2013, no gabinete do Prof. Dr. Jorge Proença, na Faculdade de Educação Física e Desporto da Universidade Lusófona, em que fui desafiado a fazer um Mestrado de Treino Desportivo de Alto Rendimento ou de Sociologia no Desporto.

Após o primeiro impacto pela surpresa do desafio, ao sair da faculdade os pensamentos detiveram-se na memória de ver o meu pai a estudar à noite e aos fins de semana, na perseguição tardia do seu sonho de ser médico que o meu avô não lhe proporcionou porque naquele tempo as coisas eram mesmo assim.  

Chegado a casa fui pesquisar sobre os dois Mestrados sugeridos e optei pelo de Treino Desportivo, devido às matérias a estudar, pelo meu passado de atleta de futebol de salão e de outros desportos colectivos, perspectivas futuras de trabalho com o Yoga, por ter o Prof. Dr. Jorge Proença como director do Mestrado e também conhecer vagamente o Coordenador, o Prof. Dr. Jorge Castelo, com quem no início da década de 1990 tive uma conversa após um treino da equipa sénior de futebol do Sport Lisboa e Benfica, em que ele fazia parte da equipa técnica do treinador Toni.

Tomada a decisão era necessário fazer a candidatura, aguardar a sua aceitação, inscrever-me e esperar o início das aulas em Outubro.


O primeiro ano curricular de aulas do Mestrado em Treino Desportivo de Alto Rendimento, foi um conjunto de várias experiências, sensações, momentos e expansão de conhecimento a vários níveis e o vislumbrar de várias possibilidades e fazer amizades.

Estes três anos foram de muito trabalho, aprendizagem, persistência, humildade, dedicação, pesquisa e ampliação de conhecimentos na área desportiva, humana e do Yoga, porque tive também de aprofundar ainda mais os meus conhecimentos sobre esta filosofia de vida.

Valeu todo o esforço, os momentos de solidão, desespero, vontade de quase desistir e descobrir uma força interna além do que pensava para poder continuar e superar os desafios que a minha Orientadora a Profª. Drª. Susana Veloso me ia colocando para ir aperfeiçoando a construção da Dissertação final.

No dia 9 de Novembro, às 11 horas fiz a defesa do meu Mestrado e terminei com o título de Mestre em Treino Desportivo, Dissertação em Alto Rendimento, com o título "Recuperação Psicológica e Física em Nadadores Através do Yoga". 

Foram três duros anos de várias mudanças pessoais e profissionais, de muito trabalho e estudo, mas valeu a pena ter investido na realização do Mestrado para poder ir ainda mais longe. Missão cumprida!
António Pereira

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Novo artigo publicado na revista BMAG

Saiu o novo número da revista BMAG, que contém um artigo escrito por mim!

O qual podem consultar aqui: Respire, Mas Bem!

Boas respirações!
António Pereira

sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Cocktail de Abertura de Época




Há momentos em que é necessário mudar, fechar um ciclo e abrir um novo, diferente e com outras oportunidades e possibilidades. 

Venha conhecer as novas instalações, os Serviços e a proposta reestruturada 
do meu projecto profissional!
António Pereira

sábado, 17 de setembro de 2016

António Pereira -Yoga e Lifestyle, desde 1981

VENHA VISITAR-NOS!

Experimente uma Aula de Yoga, uma Massagem, uma Consulta de Bio-Ressonância, Ayurveda, Hidrocólonterapia, ou participe num dos nossos Cursos ou na Formação de Instrutores de Yoga!



sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Uma questão de ponto de vista

Tudo na vida é uma questão de ponto de vista, por isso não critique e seja mais tolerante. Cada um vê pela óptica da sua experiência!

No sentido de ilustrar essa perspectiva, deixamos aqui um pequeno Conto!

Conto do Oásis

«Um jovem chegou à beira de um oásis junto a um povoado e, aproximando-se de um velho, perguntou-lhe:

— Que tipo de pessoa vive aqui?

— Que tipo de pessoa vivia no lugar de onde você vem? — perguntou o ancião.

— Um grupo de pessoas egoístas e malvadas — respondeu o rapaz — estou satisfeito de haver saído de lá.

— A mesma coisa você haverá de encontrar por aqui — replicou o velho.

No mesmo dia, um outro jovem chegou ao oásis para beber água e, vendo o ancião, perguntou-lhe:

— Que tipo de pessoa vive por aqui?

O velho respondeu com a mesma pergunta:

— Que tipo de pessoa vive no lugar de onde você vem?

O rapaz respondeu:

— Um magnífico grupo de pessoas, amigas, honestas, hospitaleiras. Fiquei muito triste por tê-las deixado.

— O mesmo encontrará por aqui — respondeu o ancião.

Um homem que havia escutado as duas conversas perguntou ao velho:

— Como é possível dar respostas tão diferentes à mesma pergunta?

Ao que o velho respondeu:

— Cada um só pode ver o que carrega no seu coração. Aquele que nada encontrou de bom nos lugares por onde passou, não poderá encontrar outra coisa por aqui.»

Reflicta naquilo que esta história lhe transmitiu para ampliar a sua consciência e promover uma mudança comportamental, alterando a sua atitude e tornando-se mais tolerante consigo e com os outros!
António Pereira

sexta-feira, 2 de setembro de 2016

Yoga: Alto Rendimento e Recuperação

Acabou de ser publicado na revista BMAG, um artigo escrito por mim com o tema:

Yoga: Alto Rendimento e Recuperação

Poderão baixar a revista completa sem custo (basta fazer o registo), além de lerem, comentarem e partilharem o artigo:  http://www.bmag.com.pt/13330-2/ 

Espero que gostem!

António Pereira


domingo, 7 de agosto de 2016

Renovação e destruição: Crescimento!


Os atributos de destruidor e renovador são características que a tradição hindú dá a Shiva, o Criador do Yoga que é também um dos três personagens da Trindade do Hinduísmo. Na sua dança cósmica de criação do Universo, Shiva destrói a ignorância, representado por um anão que ele pisa quando dança para renovar e recriar o Universo, num ciclo constante de mudança que faz parte da Natureza e da Vida.

Ao caminharmos pela vida, vamos percebendo que tudo é mudança e nessas transformações, destruímos ou arrumamos coisas do passado para nos renovarmos e entrarmos num novo ciclo mais promissor de criações e crescimento pessoal, ou estagnamos e passamos ao lado do lugar onde deveríamos ter chegado.

O Yoga é um processo de renovação constante do ser humano que lhe permite aprimorar-se no sentido de alcançar todo o seu potencial humano. Esse é um processo que tem várias etapas e provas que às vezes são duras e geram dúvidas que testam as nossas certezas e forças para que nos possamos renovar e descobrir uma força interior que imaginávamos não possuir.

Por isso, é preciso destruir e descartar o que do passado já não interessa para nos renovarmos e  podermos iniciar ou continuar uma nova caminhada, mais leve, mais estável, mais aprazível, com a coragem para enfrentar os medos e os desafios do novo e da mudança que vamos desbravando.

Nestes momentos, além da coragem para nos renovarmos, é necessário escutar o coração para perceber o que tem de ser largado e o que tem de ser conservado para nos fortalecermos e irmos com mais certezas na nova caminhada da renovação e do crescimento.

Há momentos na vida que são assim mesmo difíceis, em que a vida nos coloca à prova com grandes mudanças, mas extremamente decisivas para que possamos descartar pensamentos, atitudes mentais, emocionais e corporais do passado inclusive pessoas e talvez até ficarmos sozinhos durante um certo tempo para permitir que novas pessoas possam entrar na nossa vida e refrescá-la com novas perspectivas e pontos de vistas que nos abrem horizontes, diversidade de ideias e crescimento pessoal.

Essencialmente, há que escutar o coração e sentir a intuição para que aceitemos serenamente os desígnios que surgem e com os quais vamos agindo, de modo que esteja presente uma fluidez na tomada de decisões mais lúcidas para nos sentirmos mais leves e integros nessa caminhada rumo à felicidade e à nossa realização pessoal!

António Pereira

quinta-feira, 16 de junho de 2016

A RESPIRAÇÃO E OS SENTIDOS


Na tradição filosófica oriental, particularmente na indiana, utiliza-se muito contos, histórias, parábolas e metáforas para ensinar, educar e ilustrar situações que se pretenda realçar.

Um dos contos mais antigos e fascinantes da tradição indiana e do Yoga, é acerca do papel crucial que a respiração desempenha no bom funcionamento do nosso organismo e na sua manutenção viva. Narra essa história que um dia, os sentidos estavam em grande discussão sobre qual deles seria o melhor e o mais importante.

No seguimento foram ter com Bráhma (entidade principal da Trindade hindu) e perguntaram-lhe: «Qual de nós é o mais distinto e perfeito?».

Bráhma respondeu-lhes: «O mais distinto e perfeito será aquele que ao se afastar, o corpo piore no seu funcionamento!».

Na sequência a fala (a língua) afastou-se durante um ano, após o qual voltou e perguntou aos outros: «Como conseguiram viver sem mim?». Ao que os outros responderam: «Vivemos como os mudos. Não falámos com a língua, mas respirámos com o fôlego, vimos com os olhos, ouvimos com os ouvidos, conhecemos com a mente e gerámos com o sémen. Vivemos desta forma!». Pelo que a língua voltou ao seu lugar.

Então a visão (os olhos) decidiu também afastar-se por um ano, ao fim do qual voltou a ter com os outros sentidos e perguntou-lhes: «Como viveram sem nós?» E eles responderam: «Como cegos, sem ver com os olhos, mas respirando com alento, falámos com a língua, ouvimos com os ouvidos, conhecemos com a mente e gerámos com o sémen. Assim vivemos!». Após isto os olhos retornaram para o seu lugar.

A audição (os ouvidos) de seguida foi para longe durante um ano e depois voltou para junto dos outros e perguntou: «Como puderam viver sem nós?». Ao que os outros responderam: «Como os surdos, sem ouvir com os ouvidos, mas respirando com alento, falámos com a língua, vimos com os olhos, conhecemos com a mente e gerámos com o sémen. Assim vivemos». Então os ouvidos retornaram ao seu lugar.

A seguir foi a mente que se afastou por um ano, ao fim do qual voltou e perguntou: «Como viveram sem mim?». A resposta dos outros foi: «Vivemos como os loucos: não conhecendo com a mente, mas respirámos com fôlego, vimos com os olhos, ouvimos com os ouvidos e gerámos com o sémen. Foi assim que vivemos». Logo a mente retornou ao seu lugar.

No seguimento o sémen afastou-se durante um ano, ao fim do qual voltou e perguntou: «Como conseguiram viver sem mim?». Responderam-lhe: «Como os impotentes: não gerámos com o sémen, mas respirámos com o alento, vimos com os olhos, ouvimos com os ouvidos e conhecemos com a mente. Desta forma, vivemos». Pelo que o sémen voltou para o seu lugar.

Finalmente chegou a vez da respiração. Quando se afastou, rompeu os outros sentidos, como um robusto e dinâmico cavalo do país de Sindhu que tivesse partido as cavilhas, às quais estivesse atrelado. Logo os outros sentidos gritaram: «Não partais, Senhora! Não conseguiremos viver sem vós!»
Esta simples lenda demonstra a atitude filosófica, de como os antigos yoguis abordaram a importância crucial da respiração. Por conseguinte temos de concluir que dependemos particularmente do acto de respirar para vivermos.

Respiramos por dia aproximadamente 25.000 vezes, levando aos pulmões cerca de 10.000 litros de ar, dos quais os pulmões absorvem, entre 450 a 500 litros de dióxido de carbono. Pela respiração processamos a oxigenação do sangue, o qual fornecerá às células do organismo o oxigénio necessário para o seu bom funcionamento.

A respiração é tão importante para o Yoga que os antigos sábios desenvolveram, pesquisaram e sistematizaram um complexo e perfeito sistema de técnicas respiratórias, o pránáyáma. Em termos genéricos, o pránáyáma, é a técnica de expansão da bio-energia (o Prána, energia de origem solar) por meio de exercícios respiratórios que produzem resultados diversos no corpo, mente e emoções, devido ao seu impacto sobre o sistema nervoso simpático e parassimpático.

É particularmente a consciência sobre o acto de respirar que fará a principal diferença, aliada a uma boa execução técnica dos exercícios respiratórios, os quais devem ser aprendidos junto de um instrutor formado e certificado por um profissional experiente ou entidade credível.

Para terminar não se esqueça de respirar pelo nariz, de forma profunda, lenta, silenciosa e consciente. Respire profundamente e aumente a lucidez e concentração!

António Pereira

quinta-feira, 21 de abril de 2016

A meditação e o seu impacto no bem-estar

A meditação é uma técnica que faz parte do currículo de disciplinas do Yoga, antecedendo o estado de consciência de samádhi, a hiperconsciência, o autoconhecimento ou a Libertação (Môksha), a meta do Yoga.

Ultimamente, fruto dos maiores avanços científicos, variados cientistas e investigadores se têm debruçado sobre o impacto que a prática da meditação tem no bem-estar, qualidade de vida, gestão do stress e das emoções e na expansão da consciência que esta técnica produz no ser humano.

Nesse sentido deixamos aqui um link para uma entrevista com uma cientista de Harvard acerca da sua pesquisa e estudo dos resultados produzidos pela meditação:


Só por meio de pesquisas sérias, sobre este assunto e outros relacionados com o desenvolvimento do ser humano e a expansão da sua consciência se conseguirá dar ainda mais seriedade a estes assuntos e disciplinas, sem lhes tirar a credibilidade e orientação da tradição milenar.

Boas meditações!

António Pereira

sábado, 9 de janeiro de 2016

Cursos Lifestyle

Neste início de ano lançamos uma série de Cursos, dados por mim e a serem realizados no Lifestyle Alto Rendimento, em Lisboa.

Além de vários temas interessantes, tem a possibilidade de participar em mais do que um curso, escolhendo um dos Packs consoante o seu interesse e ainda com a opção de convidar um amigo, tudo por um valor convidativo. 

Venha aprender e conhecer melhor os caminhos para uma vida saudável com lifestyle!
António Pereira


sexta-feira, 2 de outubro de 2015

Persista!



Conquistar Conhecimento e Sabedoria ao longo da Vida que proporcione Realização pessoal, é um processo contínuo que requer Tempo, Estudo e Experiência de Vida.

Nesse sentido, o Yôga sendo uma Filosofia de Vida estritamente prática que visa o Autoconhecimento, tem uma série de ferramentas Técnicas, Conceituais e Comportamentais que nos impulsionam a reagir para sair da zona de conforto, desenvolvendo a nossa determinação para nos superarmos e irmos mais longe na perseguição das nossas metas, bem-estar e felicidade.

Por isso, quando a vida nos colocar dificuldades que nos fazem perder às vezes o ânimo, a motivação e ver em quase tudo dificuldades, se mergulharmos em nós, veremos como temos uma Força e um Poder interior que a prática e o estudo do Yôga potencializam e fazem desabrochar.

Portanto, não desista perante as dificuldades, mas antes persista! 

Vale a pena ir mais além e encontrar um Alto Rendimento interior que nos proporciona o Lifestyle que almejamos no nosso coração!

Nesse sentido, dentro do possível mantenha a sua prática de Yôga com a regularidade que puder, enquanto na vida aplica aquilo que tem aprendido para que sinta cada vez mais o bem-estar e as transformações que preconiza para si e participe em cursos sobre esta filosofia orientados por professores com formação adequada e experiência de tempo de prática, estudo e ensino.

Venha conhecer e praticar connosco um Yôga de Alto Rendimento e Recuperação e melhorar as suas capacidades.
António Pereira

segunda-feira, 20 de julho de 2015

Renovação!


Renovar é preciso para evoluir e ir mais além do que é expectável, visando uma reestruturação interna e externa que crie as condições para suportar uma nova realidade e um novo ser e estar.

Porém, para se renovar há que se fazer um esforço sobre si próprio, no sentido duma auto-superação que nos liberte das ligações com o passado que ainda nos prende e não nos deixa fluir leve e livremente para novos caminhos da vida, rompendo com velhos paradigmas.

Talvez por isso mesmo, sejam atributos de Shiva, o Criador milenar do Yôga, as características de o Destruidor ou Renovador. Isso é bem interessante, porque essa filosofia prática indiana surgida no berço da civilização indiana há mais de 5.000 anos, gera como que uma destruição interna do ser que conhecemos, renovando-o intensa e profundamente, desde as células, até ao pensamento, emoções e comportamento.

Pelo menos assim se espera, se houver uma prática diligente das técnicas e dos preceitos filosóficos do Yôga, vai-se eliminado hábitos antigos (destruição) e reconstruindo (renovando) um novo ser, melhor e mais aperfeiçoado.

Neste aspecto, a destruição não tem de ser vista como algo negativo, mas antes como uma transformação/renovação/renascimento que leva a um maior progresso, a outros resultados mais promissores e mais de acordo com o novo ser.

No processo de renovação, vai-se descortinando melhor aquilo de que nos vamos libertando e percebendo como existe um Universo de realidades novas e diferentes que nos estavam vedadas pelas nossas limitações de paradigmas auto-impostas e sugeridos pelos que nos rodeava anteriormente.

Renovar é preciso para nos sentirmos mais Livres e Inspirados. Renove-se!
António Pereira

domingo, 22 de fevereiro de 2015

Liberdade e Cultura


A Liberdade e a Cultura são os bens mais preciosos do ser humano, que o caracterizam como tal e como indivíduo com as suas particularidades. Esses dois bens são cada vez mais importantes para refutarem e confrontarem a falta de diversidade, imposta pela ideia de pensamento único tão disseminada nos tempos que correm e, alargarem horizontes, ampliando consciências e permitir que os sonhos se desenvolvam para se poderem concretizar.

Por isso faz ainda mais sentido, o que Bento de Jesus Caraça disse:

«Sem cultura, não pode haver liberdade e, sem liberdade, não pode haver cultura.» 

Quando se fala em cultura, não é somente a académica e que muitas vezes é elitizada, prendendo e não libertando, como se deseja que a cultura seja e trabalhe para tal. É a cultura que caracteriza os hábitos e características de um Povo; as experiência adquiridas e acumuladas ao longo da vida; os conhecimentos assimilados pelas viagens, por conhecer outras realidades, povos e culturas; as que a nossa curiosidade natural de aprender nos leva a aprender, etc., o ser cada vez mais um ser único e especial que se enriquece com a diversidade de cada um.

«A aquisição da cultura significa uma elevação constante, servida por um florescimento do que há de melhor no homem e por um desenvolvimento sempre crescente de todas as suas qualidades potenciais, consideradas do quádruplo ponto de vista: físico, intelectual, moral e artístico; a conquista da liberdade, a cultura integral do indivíduo.»

«Se não receio o erro, é porque estou sempre pronto a corrigi-lo.» Bento de Jesus Caraça

No mínimo incrível e ao mesmo tempo tão actual!
António Pereira

domingo, 8 de fevereiro de 2015

Liberdade!


Rabingranath Tagore, grande poeta, romancista, músico e dramaturgo hindu, escreveu na sua obra Gitanjali: «A liberdade é tudo que quero, mas fico envergonhado de ter esperança de obtê-la.»

Porém, muitos pensam que esta procura pela Liberdade última, Môksha, é algo ultrapassado e antigo, só que isso não passa de uma meia verdade.

Segundo, Feuerstein, G., no seu A Tradição do Yoga, «a liberdade espiritual em si e sua busca são tão importantes e pertinentes nos dias de hoje quanto foram em qualquer outra época. O desejo de liberdade é um impulso atemporal, uma solicitude de todas as épocas. Nós queremos a liberdade, ou a felicidade perene, mas quase nunca reconhecemos a existência desse desejo profundo. Ele permanece sempre no nível de um programa inconsciente que nos motiva secretamente em todas as nossas realizações - da engenhosidade científica e tecnológica à criatividade artística, ao fervor religioso, aos desportos, à sexualidade, à vida social e, infelizmente, ao vício das drogas e do álcool. Em todas essas actividades, o que nós buscamos é a satisfação, a realização, felicidade.»

Contudo, concluímos que a felicidade assim alcançada é infelizmente efémera e nesse sentido vemos isso como um incentivo para continuar essa busca de auto-satisfação através de novos estímulos, entrando num ciclo vicioso que nos traz frustração, desânimo e depressão, porque a Verdadeira Liberdade, somente se alcança através de um trabalho interior de renovação e transformação.

Nessa procura de superação, a tradição cultural indiana deu à luz, há mais de 5.000 anos, o Yôga, essa fantástica filosofia de vida, possuidora de um leque de ferramentas psicossomáticas que levam o Ser Humano a essa Liberdade (Môksha), pela sua transcendência, através da ampliação da auto-consciência que gera por último, um estado expandido de consciência denominado samádhi (hiperconsciência, megalucidez).

Praticar e aprofundar os estudos sobre esta extraordinária filosofia prática que é o Yôga e outras filosofia indianas associadas a ela, como o Sámkhya, Tantra, Vêdanta, Brahmáchárya, levam-nos a um mergulho profundo na consciência humana e a encontrar meios para superar essa angústia existencial que em determinados momentos sentimos, uns mais do que outros.

Na realidade o Yôga só se detém sobre aquilo que é a «realização efectiva» e não com aquilo que é especulativo, pelo que podemos dizer que é o meio por excelência que contempla todos os meios e ferramentas a se usar para esse fim.

Podemos afirmar que todas as filosofias e metodologias de estilos de vida, desenvolvidos na Índia, têm um único propósito, levar-nos a sair da nossa zona de conforto de consciência ordinária para que encontremos a nossa identidade, ou seja a nossa união, com a Realidade última.

Esses métodos, como o Yôga, têm como meta libertar-nos dos condicionamentos convencionais e desse modo libertar-nos do sofrimento, o qual é fruto dos nossos condicionamentos inconscientes. Isto quer dizer que o Yôga nos leva à realização do Si Mesmo (Púrusha), ou seja vivenciar um estado de felicidade absoluta, além da ideia limitada que temos do estado de felicidade.

Feuerstein, G., diz-nos que «o Yôga, portanto, é a tecnologia do êxtase, da autotranscendência... o modo de interpretação e os meios de realização desse estado extático diferem de escola para escola.», pelo que daí advém uma certa confusão para o leigo ao ser confrontado com uma diversidade de metodologias diferentes que as várias escolas de Yôga utilizam, fora as deturpações que foram produzidas ao longo de mais de 5.000 anos de história que esta fantástica filosofia tem.

Porém, como afirmou o grande historiador e escritor Mircea Elíade, «o que caracteriza o Yôga não é somente o seu lado prático, mas também a sua estrutura iniciática.», pelo que cada vez mais se torna  necessário preservar essas características.

Por outro lado há que retirar o Yôga de um certo obscurantismo e exotismo que alguns profissionais e a imprensa o colocaram, por falta de estudo aprofundado e sério, o que se manifesta num posicionamento consumista despropositado e inadequado aos nobres Princípios e Valores deste Património Cultural da Humanidade.

Fica aqui o desafio para conhecer e experimentar um Yôga Tradicional e genuíno, num estudo e prática profunda de transformação e ampliação da consciência humana. 


Contamos com a sua visita e/ou contacto!
António Pereira

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

Publicação de artigo

O artigo «A Importância da Respiração» que publiquei aqui no blogue e que está partilhado no site da minha escola: www.lifestylealtorendimento.com, foi também publicado no site NauZero e no Portal Nacional dos Munícipios e Freguesias. 

Entre e deixe o seu comentário. Obrigado!
António Pereira

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Uma beleza fresca


A tua beleza fresca corre pelos pensamentos da noite e os teus olhos de luz clara e límpida encantam-se com o silêncio desta que te contempla e escuta. Toda a vida flui em teu corpo, num coração genuíno de pureza carregada de sonhos para realizar.

Uma simplicidade que só os puros carregam no seu coração, toca o ambiente com uma energia jovial e alegre, em que tudo parece estar em sintonia com o Universo. Somente podemos percepcionar o que te vai na Alma, cheia de alegria e determinação em realizar tudo o que carregas de profundo na intensidade do teu Ser.

Palavras, sentimentos, sensações em conversas fluídas fazes sentir e sentes, mostrando-o com um sorriso e um olhar maroto de jovem que agarra a vida com todos os sentidos e com tudo o que tem.

Uma pureza flui por mim, carregando-me dessa energia sonhadora que tem a força da realização dos impossíveis! 

Uma beleza fresca corre pelos pensamentos da noite que são os meus, ao observar o céu estrelado de possíveis caminhos a trilhar por esta experiência fantástica que é a vida e me faz sentir ligado e unido a todos os que estão perto e os que estão longe ou distantes, com uma frescura bela a soprar arejando a minha Alma de ligações com o Passado, porque na realidade estamos somente aqui, neste lugar, neste ponto, onde tudo converge.

Uma beleza fresca, inspira tudo!
António Pereira

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Fazem 13 anos de uma outra vida!

Há 13 anos atrás, passeei por um Oceano, em que nem toda a gente vai e volta. Este dia 26 de janeiro, é marcante na minha vida! Na realidade é o marco de início de uma outra vida, em que um acumular de experiências e vivências vem ter a este momento, de recomeço, de renovação da vida.

Esse dia ficou marcado em mim e em todos os que estiveram comigo nessa altura, aos quais agradeço e não esqueço a dívida de gratidão pelos actos de amor e amizade que tiveram comigo, mesmo que alguns estejam mais distantes física e emocionalmente.

Hoje são 13 anos de uma nova vida! Uma vida observada, vivida e sentida de uma outra forma. Uma vida que pode ser tudo aquilo que eu queira construir e realizar.

Agradeço à vida e ao Universo estes 13 anos de novas experiências e oportunidades e por muitas mais décadas de realizações, felicidade e autoconhecimento. Obrigado!
António Pereira

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Reflexões inspiradoras do melhor do mundo para se obter Alto Rendimento!


O melhor futebolista do mundo Cristiano Ronaldo, numa entrevista dada ao Prof. Marcelo Rebelo de Sousa, fala de vários aspectos interessantes sobre a vida, trabalho, disciplina, regras, talento, profissionalismo, dedicação, empenho, solidariedade, resiliência, objectivos, divertimento, do alto rendimento a ser desenvolvido na vida para que o talento natural de cada pessoa possa ser alcançado e concretizado, e como os portugueses deveriam acreditar mais em si e nas suas qualidades e capacidades. 


Reflexões inspiradoras do melhor futebolista do mundo para se obter Alto Rendimento em tudo aquilo a que nos dedicamos para podermos usufruir de um Lifestyle!

O Treino Desportivo de Alto Rendimento, é o que os desportistas de topo como Cristiano Ronaldo são submetidos, para poderem competir ao mais alto nível e levarem as suas capacidades ao seu potencial máximo.

Os que não seguem determinados critérios são com o tempo excluídos, porque só os melhores podem estar e competir nesse patamar. Por isso mesmo, todas as características que na entrevista Ronaldo aborda, fazem dele um fenómeno e o melhor do mundo como futebolista e atleta.

Porém, aquilo que se aprende no desporto de alto rendimento, pode e deve ser aprendido e estendido para a vida diária, particularmente das empresas, dos empresários, profissionais liberais e dos estudantes universitários, para se trabalhar as capacidades de cada indivíduo e levá-lo ao seu melhor, a obter um alto rendimento em tudo aquilo que faz e a ser um melhor ser humano.

Nesse sentido, as técnicas e a filosofia do Yôga Antigo que ensinamos no Lifestyle Alto Rendimento, potencializam todas as capacidades dos seus praticantes, ao mesmo tempo que contagiam todos aqueles que com eles convivem, pelo seu exemplo de postura social e pela boa disposição e serenidade emanadas por cada praticante do Lifestyle Alto Rendimento!
António Pereira

Conheça mais sobre o nosso trabalho e marque uma visita e/ou uma aula experimental:


segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

A importância da respiração!


Talvez ainda não tenha pensado a sério, sobre a importância da respiração, tendo em consideração que o ar é o nosso principal alimento, pelo simples facto de que sem ele não viveríamos muitos minutos e porque nascemos com a nossa primeira respiração e partiremos desta vida, quando exalarmos pela última vez.

A respiração é tão importante que consoante as nossas actividades, respiramos de uma forma diferente conforme cada função. Por exemplo, quando corremos respiramos de uma maneira e quando estamos sentados de outra forma, além de que a nossa respiração de vigília é muito diferente daquela que temos durante o sono.

Através da observação e experimentação os antigos Yôgis, na Índia milenar, verificaram as correlações subtis entre a respiração e as nossas actividades físicas, emocionais e psíquicas. Isto é, a pessoa ansiosa respira de um modo completamente diferente, da que está encolerizada e por conseguinte a que se sente feliz, respira de outro modo, da que é neurótica.

Por isso, para o Yôga, ao observarmos a forma como uma pessoa respira, podemos saber como ela está física, emocional e psiquicamente.

Na antiga Índia, os Yôgis estudaram as características da respiração, desde a sua extensão, ritmo, duração, amplitude, centro de gravidade, etc.

Descobrir qual é o comprimento da nossa respiração, é importante para percebermos como respiramos. Porém, como se mede de uma forma simples o comprimento da nossa respiração? A forma mais simples, é por exemplo, humedecer ligeiramente a palma da mão e colocá-la virada para cima, por debaixo das nossas narinas.

Então vamos testar o comprimento da nossa respiração. Durante a expiração, o nosso foco deve estar no ar projectado na palma da mão e sensação de frescura que este provoca. Comece por colocar a palma da mão a uma certa distância, até sentir a corrente de ar. Desta forma, mede o comprimento aproximado da respiração, pela distância a que a palma da mão se encontra.

À medida que expira, vá afastando aos poucos a sua mão até ao ponto onde deixar de sentir o ar na palma e essa será a medida máxima de alcance da sua respiração. Outra possibilidade, talvez mais precisa, será a de usar um pedaço de algodão suspenso por um cordel, colocando-o por debaixo das narinas e afastá-lo progressivamente até ficar imóvel.

No Gheranta Samhita, um dos tratados clássicos do Yôga, refere que se deve diminuir progressivamente o comprimento natural da corrente expirada, porque desse modo aumenta-se a vitalidade e o contrário reduz esta.

Os antigos sábios da Índia, os Rishis, também mencionam o facto de que quanto mais estivermos concentrados, mais curta a respiração se efectua, assim como no estado expandido de consciência, denominado samádhi, o qual constitui a meta do Yôga, a respiração é praticamente imperceptível.

Por isso, os Yôgis recomendam uma respiração consciente, lenta, profunda, nasal, silenciosa e abdominal ou completa, em que progressivamente diminuímos o seu comprimento, para dessa forma ampliar a nossa concentração.

Como o Yôga é uma filosofia prática, vamos agora treinar, de uma forma simples, aquilo que aprendemos ao longo deste texto sobre a respiração. Desse modo, sente-se com as costas direitas, com a cabeça bem posicionada no alongamento natural da coluna e tome consciência da sua respiração. 

Respire simplesmente, em silêncio, mas de forma consciente, profunda, suave e sinta o ar entrar pelas narinas, passar pela laringe, traqueia e brônquios. Depois expire lenta, profunda, doce e silenciosamente, com menos comprimento na duração desta. Concentre-se! Não se distraia! Continue o exercício durante algum tempo.

Por agora ficamos por aqui. Numa próxima vez, aprenderemos a usar as três faixas pulmonares isoladamente e em conjunto, que caracterizam a respiração yôgi e como utilizar a respiração para objectivos diversos. 

Pratique aquilo que aprendeu ao ler este texto para que se torne naturalmente, com o tempo de prática e treino, parte integrante da sua forma espontânea de respirar e lhe proporcione Lifestyle Alto Rendimento naquilo a que se dedica!
António Pereira

Para aprofundar o conhecimento prático e teórico sobre a respiração e o Yôga Antigo, visite-nos em Lisboa:

Lifestyle Alto Rendimento - Prof. António Pereira
Av. Manuel da Maia, 50 - R/C - Dto. (Pç. Londres)
Tel. 218 463 974


domingo, 28 de dezembro de 2014

Valores do amadurecimento!


Mais um ano, mais um conjunto de experiências na nossa vida que contribuíram para ‎o nosso amadurecimento e crescimento.

De modo a ilustrar isso mesmo, encontrei algumas frases interessantes do poeta, tradutor e jornalista brasileiro Mario Quintana sobre o valor do amadurecimento.

"A idade vai chegando e, com o passar do tempo, nossas prioridades na vida vão mudando... Principalmente a busca pela felicidade. O tempo faz a procura ser mais selectiva. Vamos percebendo que para ser feliz com uma outra pessoa, é preciso, em primeiro lugar, não precisar dela. Percebe-se, também, que quem amamos (ou imaginamos amar), e que não corresponde à nossa expectativa, definitivamente não é a pessoa certa. 

Aprendemos, com o tempo a gostar de nós mesmos, e, principalmente, a gostar de quem também gosta da gente. Neste estágio a gente vai encontrar, não quem estava procurando, mas quem estaria nos procurando!

Aprendemos também que o segredo é não correr atrás das borboletas... É cuidar do jardim para que elas venham. Nossa vida é este jardim. vamos cuidar dele com carinho, iluminá-lo, enchê-lo de flores, e sorrir." Extractos de MARIO QUINTANA

Desejo um Feliz e Amadurecido 2015, de crescimento, realizações e repleto de boas experiências, encontros e reencontros cheios de amor e felicidade!
António Pereira

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Alto Rendimento



«A adversidade desperta em nós capacidades que, em circunstâncias favoráveis, teriam ficado adormecidas.»  Horácio
O conceito de Alto Rendimento geralmente está associado ao desporto de elevado cariz de selecção, rigor e exigência, em que somente os melhores serão abrangidos por este nível que os catapulte para um elevado padrão de excelência e de nível internacional.
Porém, a perspectiva de Alto Rendimento pode e deve ser aplicada na vida pelos que não são desportistas profissionais, mas pretendem desenvolver as suas capacidades e concretizar o seu potencial pessoal e profissional.
Nesse âmbito, no Lifestyle Alto Rendimento, temos o objectivo de levar os nossos praticantes a obter um grau de excelência naquilo que fazem e se dedicam a nível pessoal, profissional, desportivo, artístico,  estudantil, etc., para alcançarem um alto rendimento por meio das técnicas e conceitos filosóficos do Yôga, associado às pesquisas e conhecimentos mais recentes sobre o alto rendimento.
Nesse sentido temos programas personalizados, adaptados e direccionados para as características dos atletas, equipas, empresas, artistas e estudantes. 

Poderá saber um pouco mais em: 
Aprenda a desenvolver o seu potencial e a alcançar um alto rendimento, pleno de lifestyle, saindo da sua zona de conforto!
António Pereira

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

A Receita da Felicidade!

A Receita da Felicidade está dentro de cada um de nós, porque para cada um existe o seu próprio Caminho que tem a ver com as suas experiências e vivências e a descoberta da sua Verdade.

Porém, além de estarmos todos interligados, há algo comum a todos nós que é o facto de termos de nos auto-superar para alcançar e concretizar essa felicidade dentro do coração para começar a ver as coisas e a vida de um outro ângulo, o ângulo de valorização das pequenas coisas, dos detalhes que fazem a diferença em tudo na vida e até tornam os grandes feitos, ainda maiores, porque essas pequenas coisas, são na realidade Grandes e são elas que fazem a diferença e nos marcam intensamente em determinados momentos da vida.

Valoriza quem tu és e valoriza-te como pessoa e como profissional. Valoriza quem amas e ama ainda mais, porque um dia podes deixar de ter esse amor, por não o teres valorizado como merecia. Valoriza os teus familiares e entes queridos, porque um dia podes não os ter contigo e será tarde para dizer o quanto os valorizavas. Valoriza os teus amigos. Valoriza a família que construíste. Valoriza aquilo que tens e que conquistaste. Valoriza a simplicidade porque ela é a Essência das coisas. Valoriza o Silêncio que te leva a reencontrares-te. Principalmente valoriza o facto de teres saúde e estares vivo!

Constrói e prepara a tua Receita da Felicidade trazendo ao de cima o que existe de melhor dentro de ti.

Sê Feliz!
António Pereira